Mais lidas
Geral

Goldman Sachs é alvo de protestos por comprar ações de estatal da Venezuela

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Goldman Sachs, maior banco de investimentos do mundo, foi alvo de protestos nesta terça-feira (30) pela compra de US$ 2,8 bilhões (R$ 9,12 bilhões) em ações da petroleira estatal venezuelana PDVSA.

A companhia foi duramente criticada pela oposição ao presidente Nicolás Maduro por alimentar o caixa estatal com a aquisição. O banco admite a operação, mas diz que os títulos foram comprados de outros investidores.

Membros da comunidade venezuelana em Nova York e Miami foram às sedes do banco nas duas cidades. Na maior cidade americana o protesto reuniu cerca de 40 pessoas, como o estudante Eduardo Lugo, 23:

"Ao dar US$ 900 milhões a uma ditadura, estão financiando sistematicamente um violador dos direitos humanos, estão financiando a imoralidade e a manutenção de Maduro no poder enquanto ele continua a matar."

As primeiras notícias sobre a transação foram veiculadas no fim de semana pelo jornal "The Wall Street Journal". O Goldman Sachs pagou US$ 865 milhões (R$ 2,82 bilhões) pelos papéis, 31% de seu valor de face.

A aquisição ocorreu na semana passada. Na sexta (26) as reservas internacionais da Venezuela ganharam US$ 749 milhões, passando para US$ 10,86 bilhões e ajudando o governo a ter mais recursos em moeda forte.

Para os opositores, o banco tornou-se cúmplice do chavismo. Eles afirmam que o dinheiro será usado na repressão à onda de protestos contra Nicolás Maduro, que já deixou 62 mortos e mais de 1.200 feridos em dois meses.

Na segunda (29), o Goldman Sachs disse reconhecer que a situação no país caribenho é complexa. "Concordamos que a vida por lá precisa ficar melhor, e investimos em parte por acreditar que isso acontecerá."

O presidente da Assembleia Nacional, Julio Borges, criticou a nota e voltou a acusar o banco de fomentar o governo. "Por mais que tente, o Goldman Sachs não pode enfeitar o pavão ao dizer que ajudará os venezuelanos."

A declaração foi feita minutos antes de o Legislativo pedir ao Congresso dos EUA uma investigação sobre a compra, que qualificou como "imoral, opaca e hipócrita", em alusão à retórica de Maduro contra o mercado financeiro.

A polêmica transação rendeu os primeiros prejuízos financeiros ao banco nesta terça. Suas ações na Bolsa de Nova York tiveram queda de 2%, enquanto o índice Dow Jones fechou em -0,24%.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber