Mais lidas
Geral

Polícia de Manchester para de passar informações aos EUA após vazamentos

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Reino Unido decidiu nesta quinta-feira (25) parar de compartilhar informações sobre o atentado em Manchester com os Estados Unidos após autoridades do país vazarem dados à imprensa.

A decisão foi tomada pela polícia de Manchester, não pelo gabinete da primeira-ministra Theresa May. Ainda assim, May expressou irritação sobre os vazamentos -o governo teme que a divulgação precipitada de informações possa comprometer a investigação sobre o ataque terrorista.

"Deixarei claro para o presidente [Donald] Trump que a inteligência compartilhada entre nossas agências de segurança deve permanecer segura", declarou o primeira-ministra. Ela deve encontrar o líder americano durante uma cúpula da Otan (aliança militar ocidental) nesta quinta-feira (25) em Bruxelas.

Um homem-bomba identificado como Salman Abedi se explodiu na saída de um concerto da cantora americana Ariana Grande na segunda-feira (22) à noite em Manchester, matando 22 pessoas e deixando dezenas de feridos. A explosão foi causada por uma bomba caseira que, ao ser detonada, lança pregos e estilhaços.

As autoridades investigam uma "rede" que teria ajudado o terrorista e buscam possíveis conexões com grupos radicais na Líbia e na Síria, como o Estado Islâmico, que reivindicou a autoria do ataque.

Desde o atentado, a polícia britânica tem divulgado informações limitadas sobre a investigação com o intuito de preservá-la. Entretanto, autoridades dos Estados Unidos vazaram diversos dados à imprensa do país, como o nome do homem-bomba e imagens de fragmentos do explosivo utilizado na ação.

Nos últimos dias, autoridades britânicas vinham criticando os vazamentos americanos, chegando a classificá-los de "irritantes" e "inaceitáveis".

A cooperação em inteligência deve se manter em outras áreas, apesar das crescentes preocupações de aliados dos Estados Unidos sobre a recente decisão do presidente Trump de revelar a autoridades russas dados sigilosos sobre terrorismo obtidos por Israel.

PRISÕES

A polícia do Reino Unido prendeu nesta quinta-feira (25) mais dois suspeitos de conexão com o atentado em Manchester, elevando para oito o número de detidos no país desde o ataque. As autoridades dizem ter progredindo nas investigações, encontrando pistas importantes sobre o ataque.

Uma das prisões desta quinta-feira (25) ocorreu no distrito de Hulme, em Manchester, após a polícia isolar um prédio residencial em busca de um pacote suspeito.

Autoridades da Líbia detiveram na quarta-feira (24) em Trípoli outro irmão e o pai do suposto homem-bomba de Manchester. Salman Abedi, 22, nasceu no Reino Unido, tinha família líbia e havia visitado o país norte-africano recentemente.

May decidiu manter o alerta de terrorismo em nível "crítico", indicando que um novo ataque pode acontecer a qualquer momento. O governo mobilizou quase 1.000 militares para reforçar a segurança no país, principalmente em pontos movimentados de Londres.

As autoridades britânicas atualizaram nesta quinta-feira (25) o número de vítimas do atentado. Além dos 22 mortos, 116 pessoas ficaram feridas e receberam tratamento hospitalar após a explosão -dessas, 23 continuam em estado crítico. Até agora, vinha sendo divulgado um número menor de feridos.

Por causa do ataque, a campanha das eleições parlamentares de 8 de junho foi suspensa, devendo ser retomada nos próximos dias.

O atentado a Manchester é o pior no país desde o ataque contra o sistema de transporte público de Londres em 2005, que deixou 52 mortos.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber