Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - Número de mortos em protestos na Venezuela iguala onda de 2014

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O número de mortos em um mês e meio de protestos na Venezuela chegou nesta terça-feira (16) à cifra de vítimas fatais registradas nos três meses da onda de manifestações de 2014 contra o presidente Nicolás Maduro.

Assim como mais da metade dos 43 mortos, as duas últimas vítimas foram baleadas. O adolescente Yeison Mora, 17, não resistiu aos ferimentos depois que seu rosto foi atingido por uma bala em um protesto em Pedraza, no Estado de Barinas (oeste).

Durante a manhã, o biólogo Diego Arellano, 31, morreu na hora depois de também ser alvo de munição letal em um ato perto da fábrica onde trabalhava em San Antonio de Los Altos, no Estado de Miranda (centro).

O número de mortos por disparo de armas de fogo nos protestos é o mesmo que o de três anos atrás: 26. Naquele ano, porém, as mortes ocorreram em menor intervalo de tempo --34 no primeiro mês, contra 29 neste ano.

Outra diferença é em relação às circunstâncias em que os outros 17 morreram. Acidentes de trânsito provocados por barricadas montadas em ruas e estradas levaram a oito óbitos em 2014, assim como houve três mortos com a explosão de bombas.

A "guarimba", como o governo chavista chama as barricadas e os atos violentos de seus adversários, deixaram três vítimas neste ano, todas por acidentes de trânsito.

Por outro lado, os saques tornaram-se mais comuns em 2017 devido à escassez de alimentos e remédios na Venezuela, efeito da crise econômica que se agravou fortemente em três anos.

Foi na invasão a uma padaria no bairro de El Valle, em Caracas, que houve o maior número de mortos: três baleados e nove eletrocutados na madrugada de 21 de abril.

O ritmo paulatino das mortes também tem a ver com a sequência dos protestos. Ao completar um mês e meio as manifestações de 2014 começaram a perder força, e o governo recuperou o controle.

Três anos depois, a situação econômica e o atrito político entre governo e a oposição deixaram os dois lados mais radicais e aumentou a violência nas manifestações.

decreto

Nesta terça, Maduro reforçou a emergência econômica decretada em 2015 para tentar resolver o desabastecimento no país caribenho.

Agora, dá mais poder ao Executivo de mover o orçamento para a compra de alimentos e remédios sem pedir autorização a outro poder.

Pela Constituição, qualquer mudança nos gastos públicos precisariam ser aprovados pela Assembleia Nacional, dominada pela oposição desde janeiro de 2016.

No último ano, porém, quem dava aval às transações era o Judiciário, que havia declarado o Legislativo em desacato pela posse de três deputados impugnados.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber