Geral

ATUALIZADA - Trump surpreende e demite diretor do FBI

.

ISABEL FLECK

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente Donald Trump demitiu nesta terça (9) o diretor do FBI (polícia federal americana), James Comey, que chefiava investigações sobre integrantes da campanha de Trump e sua suposta ligação com a Rússia.

Comey também supervisionava o inquérito sobre uso indevido de e-mails pela ex-secretária de Estado Hillary Clinton, que disputou a Presidência com Trump.

Segundo o "New York Times", o diretor soube da demissão enquanto discursava a funcionários do FBI em Los Angeles por meio do noticiário exibido nas TVs do local --os repórteres foram informados antes de a carta do presidente ser entregue na sede do órgão em Washington.

Ainda não está claro o motivo da demissão abrupta.

Horas antes, o FBI enviara ao Congresso uma correção de declarações oficiais de seu então diretor sobre os e-mails de Hillary, segundo as quais uma auxiliar da ex-chanceler passara ao marido "centenas de milhares de e-mails", incluindo alguns confidenciais.

O órgão depois afirmou que encontrou apenas um pequeno número de mensagens no laptop do ex-deputado Anthony Wiener, investigado em um escândalo sexual.

Segundo o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, a decisão de Trump segue a recomendação do secretário da Justiça, Jeff Sessions, e de seu vice, general Rod Rosenstein. O sucessor não foi definido.

Com o comunicado de Spicer, a Casa Branca divulgou cartas de Rosenstein e Sessions a Trump, datadas desta terça, pedindo a demissão. Nenhuma delas, porém, cita a correção feita pelo FBI sobre as declarações de Comey.

Rosenstein e Sessions argumentaram que a decisão do diretor do FBI de não recomendar o indiciamento de Hillary, em 2016, após investigar o uso de um e-mail particular para tratar de assuntos do Departamento de Estado foi "errada".

O vice-secretário da Justiça cita ainda declarações de Comey à imprensa sobre o caso naquele ano, "ignorando" o princípio do Departamento de Justiça --ao qual o FBI está subordinado-- de não divulgar informações sobre investigações criminais. Para Rosenstein, ele "usurpou a autoridade" do então secretário de Justiça ao anunciar que o caso seria encerrado.

"Como resultado, o FBI não deve reconquistar a confiança do público e do Congresso até que tenha um diretor que entenda a gravidade dos erros e se comprometa a nunca repeti-los", disse.

A carta de Trump comunicando a Comey sua demissão, no entanto, sugere que a investigação que o diretor do FBI conduzia sobre a possível relação de membros de sua equipe com a Rússia possa ter influenciado a decisão.

"Mesmo que eu aprecie muito o fato de você ter me informado, em três ocasiões distintas, que eu não estou sob investigação, eu concordo com a avaliação do Departamento da Justiça de que você não está apto a liderar efetivamente o bureau (FBI)", escreveu Trump.

O presidente ainda afirmou ser necessário encontrar um novo diretor para o FBI que "restaure a confiança pública" na sua "missão vital de aplicação da lei".

Democratas demonstraram preocupação com o fato de Trump apontar o responsável por conduzir, a partir de agora, as investigações sobre possíveis ligações de seus assessores com o governo de Vladimir Putin, suspeito de interferir nas eleições americanas de 2016.

O senador democrata Ron Wyden, membro do Comitê de Inteligência do Senado --que também investiga as relações da equipe de Trump com a Rússia--, disse que Comey deverá ser levado ao Congresso para revelar até onde tinham avançado as suas investigações sobre os assessores do republicano quando ele foi demitido.