Geral

Obras do artista sonoro Lawrence Abu Hamdan desvendam crimes de guerra

.

SILAS MARTÍ, ENVIADO ESPECIAL

ATENAS, GRÉCIA (FOLHAPRESS) - Nenhum ruído é inocente na obra de Lawrence Abu Hamdan. Um crime de guerra pode se esconder na distorção do som de um disparo, num eco, grito ou sussurro.

Nos últimos dez anos, esse artista e ativista jordaniano vem analisando gravações de execuções e testemunhos de prisioneiros para questionar a versão oficial dos fatos, no caso, relatos de governos ou regimes que tentam mascarar a brutalidade dos conflitos armados que fazem ferver todo o planeta.

Em duas das maiores mostras de arte contemporânea do mundo, a Bienal de Charjah e a Documenta, evento alemão que este ano tem um braço em Atenas, Abu Hamdan traduz os horrores da guerra em obras "sujas pela política" -trabalhos arrebatadores que também esclareceram crimes.

Sua análise dos relatos de ex-detentos da prisão síria de Saydnaya, por exemplo, sustenta a acusação de que o regime de Bashar al-Assad matou cerca de 13 mil prisioneiros ali desde o início da guerra no país, há seis anos.

Vendados, os detentos eram forçados a ficar em silêncio e desenvolveram uma "capacidade aguda de ouvir". Abu Hamdan trabalhou com a memória auditiva dos sobreviventes para calcular distâncias e desenhar a planta arquitetônica do presídio inacessível a inspetores e grupos de defesa dos direitos humanos.

Há três anos, o artista também ajudou a provar, a partir do estudo do som dos disparos, que dois soldados israelenses não usaram balas de borracha, como afirmavam, para conter adolescentes palestinos desarmados -ele demonstrou que um silenciador foi usado nas armas para disfarçar o som das balas reais que mataram os garotos.

Em galerias e museus, todo esse horror se transforma em gráficos minimalistas, que denunciam o terror em estilo clínico e asséptico.

Em conversas com a Folha de S.Paulo em Charjah, nos Emirados Árabes Unidos, e por telefone, Abu Hamdan deu detalhes de seu processo criativo.

Como foi o início de suas pesquisas sonoras?

Lawrence Abu Hamdan - Sempre trabalhei com música e fazia parte de uma banda independente. Nessa cultura do faça você mesmo, estamos às margens da indústria musical. Isso, para mim, junta som e política. Mas é um som sujo pela política do mundo.

Foi aí que comecei a pensar na materialidade do som, o som como objeto mesmo, e passei a me interessar pela exploração científica dele, pensar em como contar histórias sonoras num mundo que parecia dominado pela visão.

Mas, partindo do campo da arte, como você se envolveu com a investigação de crimes?

Há muitos casos em que o som importa mais do que tudo. Crimes acontecem fora do nosso campo de visão, onde ninguém está vendo. Mas me incomodava que os encarregados por analisar esses sons fossem a polícia ou agentes do Estado, enquanto ninguém analisava os sons da violência praticada por esses Estados.

Sua ideia então era ser um agente independente, que pudesse questionar as versões das vítimas e dos algozes?

Muito do que eu faço é mostrar que os especialistas podem estar por trás da violência. Eles detêm um léxico para analisar esses dados. Eu tento mobilizar a audição dos outros que desenvolveram uma capacidade aguda de escutar por causa de situações extremas que tiveram de enfrentar. Queria inverter a condição em que as autoridades determinam o rumo das investigações.

No caso dos prisioneiros de Saydnaya, era difícil usar o silêncio, os sussurros como evidência, porque é como se isso fosse um espaço negativo, mas é importante medir esses espaços. Meu trabalho parte do fato de que a representação da violência não é adequada.

Sua obsessão pelo som é uma crítica a um mundo dominado pelo excesso de imagens?

Estamos mesmo num ambiente movido por imagens, mas elas são decifradas com muita rapidez. Há muito mais trabalho a ser feito em relação ao som, que pode até mesmo tornar as imagens mais fortes.

Há uma crise da imagem, o que faz com que tenhamos que explorar melhor os silêncios, os vestígios. Quando usamos outra economia da imagem, focada no som, impulsionamos a imaginação. Não penso em ver e ouvir como coisas separadas. Sentimos o espaço por uma constelação de sensações, e a imagem é muitas vezes informada pelo som. É difícil desembaraçar esses dois elementos.

A julgar por sua obra, terroristas sabem disso muito bem.

Eles sabem usar imagens, mas também criam um imaginário do terror que não é filmado com câmeras. Tudo acontece no escuro, forjando outro tipo de visibilidade, distante da maioria das pessoas.

Sua obra seria um ataque à arte mais preocupada com questões estéticas do que com a realidade? Os artistas devem agir mais como cientistas?

Não acho que artistas devam ser cientistas. A arte tem seus próprios métodos para produzir verdades. Enquanto a ciência pode ser muito mais estranha em sua maneira de falar da realidade, um artista ouve mais e olha mais para as coisas, sabe que tudo importa porque é treinado para olhar para aquilo que ninguém vê.

Mesmo a arte pela arte tem seu propósito. No século 17, os holandeses que pintavam paisagens com céus cheios de nuvens não sabiam que essas obras hoje seriam estudadas como evidências meteorológicas. Eles pintavam nuvens porque achavam bonito, mas essas telas são vistas agora quase como documentos.

Nós precisamos da arte pela arte, mas também da arte que ataca, que vai a campo.