Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - Trump tira aliado polêmico de órgão-chave

.

ISABEL FLECK

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente americano, Donald Trump, tirou seu estrategista-chefe, Steve Bannon, do Conselho de Segurança Nacional, recuando de decisão que gerou polêmica no início de seu mandato.

Num memorando divulgado nesta quarta-feira (5), Bannon já não aparece mais na lista do Comitê Diretor, grupo ocupado pelos mais altos funcionários que têm como tema de interesse a segurança nacional, como o vice-presidente e os secretários de Estado e de Defesa. Para críticos, a presença de Bannon politizava o conselho.

Outra decisão controversa revogada foi a de rebaixar dentro do conselho o comandante do Estado-Maior das Forças Armadas, o general Joseph Dunford, e o diretor de Inteligência Nacional, posto agora ocupado por Dan Coats.

Desde o início do governo Trump, os dois ocupantes dos cargos --que eram parte do comitê diretor no governo Obama-- só eram convocados quando o assunto em questão "lhes dizia respeito diretamente". Agora, eles retornam ao seleto grupo.

Também foram incluídos como membros permanentes o secretário de Energia, Rick Perry, o diretor da CIA, Mike Pompeo, e a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley.

As mudanças foram feitas pelo novo conselheiro de Segurança Nacional, o tenente-general H. R. McMaster, que substituiu o general reformado Michael Flynn, após sua queda, em fevereiro.

Flynn renunciou após ter sido revelado que ele conversou em dezembro, antes de Trump assumir, com o embaixador russo nos EUA, Sergei Kislyak, sobre as sanções aplicadas contra Moscou.

Funcionários da Casa Branca disseram ao "New York Times" que a decisão de retirar Bannon do Conselho de Segurança Nacional não representa uma perda de prestígio do polêmico estrategista, que era responsável pelo site ultraconservador Breitbart News antes de se juntar à equipe de Trump.

Segundo eles, Bannon tinha sido colocado pelo presidente no conselho para "monitorar" Flynn -o que agora não seria mais necessário. Ainda segundo o jornal, o estrategista manterá as credenciais altas, o que significa ter acesso às informações mais sigilosas de segurança nacional.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber