Mais lidas
Geral

Brasil registra queda nos casos de dengue, zika e chikungunya neste ano

.

NATÁLIA CANCIAN

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Com aumento geralmente esperado para esta época do ano, os casos de dengue, zika e chikungunya têm seguido até agora um cenário oposto, com queda nos dois primeiros meses de 2017 em comparação ao mesmo período de 2016.

A redução nos casos, em média, já chega a 90%, segundo dados de um novo boletim do Ministério da Saúde, com informações consolidadas até 18 de fevereiro.

Segundo o boletim, até essa data, foram registrados 48.177 casos prováveis de dengue no país, contra 475.260 no mesmo período do ano anterior -queda de 89,8%.

Mesma redução é percebida no total de casos registrados de chikungunya e zika, ambas transmitidas pelo mesmo vetor da dengue, o mosquito Aedes aegypti.

Até o dia 18 de fevereiro, foram 1.653 casos registrados de zika, contra 71.553 no mesmo período do ano anterior -queda de 97,6%.

Já os casos de chikungunya, tidos ainda como principal ameaça para este verão e os próximos meses, também registram redução até o momento, mas menor: para estes, foi de 76,3%. Em 2017, já são 10.294 casos da doença, contra 43.567 no mesmo intervalo do último ano.

FATORES

Para o infectologista Marcos Boulos, da Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo, vários fatores explicam essa diminuição dos casos, que ocorre na contramão do cenário esperado para este período -em geral, o aumento nos registros de dengue, zika e chikungunya já começa a ser percebido nos meses de dezembro e janeiro.

Além de passar por uma epidemia forte de dengue nos últimos anos, cenário que pode sinalizar trégua devido ao menor número de pessoas suscetíveis, o alerta emitido no ano passado para a zika, e que levou à maior articulação nacional contra o Aedes aegypti, ajudou a diminuir a incidência do vetor dessas doenças no país.

"Quando não se quer uma epidemia no verão, tem que trabalhar no inverno para evitar que chegue no verão com muitos focos. Começamos o verão com situação muito adequada neste ano. Tivemos uma redução muito grande de Aedes no país, e as doenças acompanharam isso", afirma.

Segundo o coordenador, apesar da queda, ainda há risco de aumento de casos, mas em ritmo menor.

"Estamos tendo nos últimos dois meses um aumento do Aedes outra vez. Já percebemos isso aqui em São Paulo. Mas como está terminando o verão, isso não vai ser suficiente para que tenhamos uma epidemia importante neste ano, pois é um momento em que o Aedes não tem mais condições propícias de proliferação. É provável que ainda tenhamos aumento, mas vai ser bem menor do que no ano passado", completa ele, que também reforça a necessidade de que as ações de prevenção sejam mantidas.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber