Mais lidas
Geral

Renúncia de porta-voz eleva pressão sobre candidato conservador francês

.

DIOGO BERCITO

ROMA, ITÁLIA (FOLHAPRESS) - A campanha presidencial do conservador François Fillon sofreu mais um revés com a renúncia de seu porta-voz, Thierry Solère, anunciada nesta sexta-feira (3).

Solère, que organizou as primárias da direita francesa, era um dos membros mais influentes do time de Fillon. Bruno Le Mairie, um assessor do candidato, deixou a campanha um dia antes.

Fillon está sendo investigado por corrupção e deve ser acusado formalmente no próximo dia 15. Sua equipe está se esvaziando e membros em seu próprio partido, os Republicanos, pedem que ele abandone a candidatura.

A ex-ministra Nadine Morano disse que as chances eleitorais dele estão se esgotando e que ele pode levar a direita a uma "catástrofe".

O jornal francês "Le Monde" descreveu a situação como uma "hemorragia".

O conservador Alain Juppé, que foi derrotado por Fillon nas primárias conservadoras de novembro, afirmou que está "pronto para fazer parte da busca por uma solução" à crise -o que foi entendido como sua intenção de assumir a candidatura.

SONDAGEM

Fillon afirmou repetidamente que não irá desistir das eleições, que serão realizadas em 23 de abril e em 7 de maio.

O desgaste causado a sua imagem e a possibilidade de que seja impedido de concorrer, porém, adicionam bastante ansiedade ao pleito, já marcado por reviravoltas nos últimos meses, incluindo a própria candidatura de Fillon.

Os dois principais rivais de Fillon são a ultra-direitista Marine Le Pen, da Frente Nacional, e o centrista independente Emmanuel Macron.

Pesquisas têm sugerido que Le Pen irá vencer o primeiro turno, mas será derrotada no segundo -quer seja por Fillon, ou por Macron.

A instabilidade da candidatura de Fillon, no entanto, tem mudado o cenário. Macron apareceu nesta quinta-feira em uma sondagem liderando já no primeiro turno, com 27% dos votos. Le Pen teria 25,5%, e Fillon, 19%.

A pesquisa, publicada pela Odoxa, também apontou que cerca de 70% dos eleitores franceses acreditam ser um equívoco que Fillon mantenha sua candidatura.

ACUSAÇÃO

Fillon é acusado de remunerar sua mulher, Penelope, como assistente parlamentar sem que ela tenha exercido o cargo. Ele também teria contratado seus filhos enquanto eram estudantes. O candidato admitiu, recentemente, ter sido uma má decisão.

Não é proibido empregar familiares na França, mas é irregular que eles não tenham cumprido a função.

O candidato conservador tem desafiado as acusações e afirmado sofrer uma tentativa de "assassinato político".

Deve haver uma passeata em Paris no domingo (5) em seu apoio, apesar dos pedidos do presidente francês, François Hollande, de que o evento fosse cancelado.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber