Mais lidas
Geral

Técnica de criogenia pode ajudar a preservar órgãos para transplante

.

RICARDO BONALUME NETO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Esfriar é fácil, reaquecer é difícil. Há décadas os pesquisadores conseguem preservar material biológico por congelamento. Mas ainda não se sabe como reaquecer esse material mantendo suas propriedades e sem estragá-lo, especialmente se for volumoso.

A descoberta de uma nova técnica para descongelar tecidos e órgãos facilitaria muito os transplantes. A equipe liderada por John Bischof, da Universidade de Minnesota (EUA) deu agora o primeiro passo para isso se tornar realidade no futuro.

E a necessidade é urgente. Corações e pulmões, depois de retirados do doador, precisam ser preservados em gelo e implantados no receptor no máximo em quatro horas.

Para isso, o órgão pode ter que andar de ambulância, viajar de helicóptero, e chegar nas mãos da equipe de transplante que o espera ansiosamente. Mas infelizmente, mais de 60% de corações e pulmões precisam ser descartados por não chegarem a tempo e em boas condições.

Se fosse possível congelar o órgão, e descongelá-lo sem danos, a medicina de transplantes daria um gigantesco passo adiante.

Neste novo estudo, publicado na atual edição, divulgada nesta quarta (1º), da revista médica "Science Translational Medicine", os pesquisadores revelam como lidaram com o problema de reaquecimento usando nanopartículas –partículas minúsculas, da ordem de um milionésimo de milímetro– de óxido de ferro revestidas com sílica e dispersas por uma solução que protege o tecido biológico contra o frio ("crioprotetora").

O tecido é congelado aos poucos e colocado em um frasco com a solução crioprotetora, totalmente em contato com as partículas. O frasco é preservado em nitrogênio líquido a temperaturas entre 160°C a 196°C negativos.

As nanopartículas magnetizadas são excitadas pela rádiofrequência, esquentam e com isso descongelam de modo uniforme o tecido no frasco. As taxas de aquecimento chegam entre 100°C a 200°C por minuto, e isso ocorre dez a cem vezes mais rápido que os métodos tradicionais. É a primeira vez que isso é demonstrado sem danificar o tecido, segundo Bischof. "Chegamos aos limites do que podemos fazer a temperaturas muito elevadas e temperaturas muito baixas nestas diferentes áreas", disse.

"Normalmente, quando você vai para os limites, você acaba descobrindo algo novo e interessante. Esses resultados são muito excitantes e poderiam ter um grande benefício social se pudéssemos algum dia depositar órgãos para transplante em bancos de preservação", diz o líder da pesquisa.

Terminado o reaquecimento foram feitos testes de viabilidade; os resultados mostraram que nenhum dos tecidos apresentava sinais de danos, ao contrário de amostras reaquecidas por "convecção térmica" (processo de transferência de calor que acontece através da movimentação de um material), mesmo pelo método mais simples, colocar o frasco em água na temperatura do corpo (37°C).

A equipe –também coordenada por Navid Manuchehrabadi, pesquisador fazendo pós-doutorado em Minnesota– foi capaz de lavar com sucesso as nanopartículas de óxido de ferro da amostra.

Segundo Manuchehrabadi, Bischof e colegas, até agora só era possível ter sucesso no reaquecimento em amostras de cerca de um mililitro de tecido e solução. O novo estudo conseguiu sucesso com amostra de até 50 mililitros.

Se a técnica puder ser aperfeiçoada e ampliada poderá a princípio ser possível reaquecer sistemas biológico maiores, como órgãos de até um litro. O potencial é vasto. A Universidade de Minnesota já tem duas patentes ligadas a essa pesquisa.

O estudo envolveu células humanas, artérias de porcos, e até mesmo tecidos da aorta do coração do porco. A equipe agora planeja testar órgãos pequenos, por exemplo de ratos e coelhos.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber