Mais lidas
Geral

Governista sai na frente e projeções apontam para 2º turno no Equador

.

SYLVIA COLOMBO, ENVIADA ESPECIAL

QUITO, EQUADOR (FOLHAPRESS) - Dados oficiais divulgados na noite deste domingo (19), com 78,4% dos votos contabilizados, apontam para um provável segundo turno no Equador, no próximo dia 2 de abril, entre os candidatos Lenín Moreno, 63, do partido do governo, e o oposicionista Guillermo Lasso, 61.

Segundo os números anunciados pelo CNE (Conselho Nacional Eleitoral) às 22h40 (0h40 em Brasília), Moreno tinha 38,83%, enquanto Lasso acumulava 28,56%.

O presidente da entidade, Juan Pablo Pozo, ainda assim, alertou que não era possível afirmar com certeza se haverá segundo turno e que o panorama somente ficaria claro quando todas as atas fossem contabilizadas.

"Faltam províncias, faltam os votos dos migrantes no exterior e é preciso esperar a totalidade da contagem para divulgar um resultado definitivo", afirmou.

Enquanto isso, os dois lados da disputa faziam cada um a sua festa. Os apoiadores do governo foram à avenida de los Shyris, local tradicional de festejo dos partidários de Correa, para comemorar. Ali, havia um palco armado, shows musicais, e um animador que repetia a cada tanto: "Moreno no primeiro turno".

Mesmo quando iam sendo anunciadas as diminutas chances dele vencer neste domingo (19), a festa seguiu.

O próprio candidato, então, subiu ao palco, cantou e puxou um coro de "primeiro turno, primeiro turno".

Enquanto isso, Lasso se apressou a ir a programas de televisão, já apresentando os cálculos que, segundo ele, podem garantir sua vitória.

A candidata Cynthia Viteri, que está em terceiro, com 16,29%, anunciou seu apoio a Lasso.

"Mais de 60% votaram contra o 'correísmo', ou seja, juntando os votos obtidos pelos sete candidatos ao posto, Moreno perderá. As pessoas disseram 'basta' a esse regime", disse Lasso na TV.

No Equador, para vencer no primeiro turno, o candidato deve obter 50% mais um voto, ou 40%, caso o segundo fique pelo menos dez pontos percentuais atrás.

VOTAÇÃO

Segundo o órgão que regula as eleições no país, houve 69,58% de participação dos equatorianos.

A votação ocorreu com normalidade, apesar de haver filas longas na maior parte dos locais de votação visitados pela reportagem.

A tarde ensolarada fez com que muitos habitantes da capital fossem para parques e praças após votar. No centro histórico, vendedores de artesanato contaram que tiveram de madrugar para não perder o dia de trabalho.

Já na periferia, também madrugaram os vendedores ambulantes de comida, como em La Argelia, onde Sonia Simbraña, 39, disse que só iria votar no fim do dia. "Minha prioridade era ter bastante coisa para vender. Acordei cedo para cozinhar, fiz humitas, feijão, caldos. Em dia de votação, as pessoas não têm tempo de cozinhar, então almoçam na rua. Quando saem do voto, já estou com tudo pronto", explicou, sorridente. De fato, a barraca de Simbraña era das mais concorridas na saída do centro de votação.

PRESIDENTE

Rafael Correa votou pela manhã, se declarou confiante de que seu candidato, Moreno, seria eleito já no primeiro turno.

Disse também já estar "nostálgico" com relação ao fato de ter de deixar o cargo que ocupou por dez anos -o mandatário venceu três eleições, 2006, 2009 e 2013.

"Quando assumi, encontrei uma sociedade destroçada e desesperançada. Hoje vejo nos rostos das pessoas o orgulho de serem equatorianos", afirmou, após votar, numa escola do norte da capital.

Acompanhado por vários seguranças e um grupo de correligionários que gritava seu nome, o presidente atuou quase como um candidato, carregando bebês e cumprimentando os votantes.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber