Mais lidas
Geral

Malásia prende quarto suspeito de matar meio-irmão de Kim Jong-un

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Autoridades da Malásia anunciaram a prisão de uma quarta pessoa supostamente ligada à morte de Kim Jong-nam, meio-irmão do ditador norte-coreano Kim Jong-um. Desde 2001 vivendo no exílio, Kim Jong-nam morreu na última segunda, no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur.

Detido nesta sexta-feira (17), o suspeito carregava documentos norte-coreanos que o identificavam como Ri Jong Chol, de 46 anos. Três outras pessoas já tinham sido presas pela polícia para investigação -a vietnamita Doan Thi Huong, a indonésia Aisyah e o namorado malaio de Aisyah.

A polícia suspeita que as duas mulheres envenenaram Kim Jong-nam enquanto ele esperava um voo para Macau. Na sexta-feira, o chefe da polícia da Indonésia disse que Aisyah afirmou ter sido enganada ao pensar que o ataque a Jong-nam fosse uma pegadinha.

AUTÓPSIA

Autoridades da Malásia disseram a Associated Press que uma segunda autópsia foi feita no meio-irmão do líder norte-coreano. Os resultados do primeiro procedimento teriam sido inconclusivos.

A segunda autopsia enfureceu a Coreia do Norte, que prometeu rejeitar os resultados e exigiu que a Malásia entregue o corpo imediatamente. O embaixador norte-coreano Kang Chol disse que as autoridades malaias conduziram a autópsia em Kim Jong-nam de forma unilateral e sem a presença da Coreia do Norte.

O oficial sênior da polícia da Malásia, Abdul Samah Mat, negou a realização da segunda autópsia. Ele disse que os resultados da primeira autópsia ainda não foram divulgados.

A Malásia é um dos poucos países a ter laços diplomáticos com a Coreia do Norte, tendo cada país uma embaixada na capital do outro país.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber