Mais lidas
Geral

Doria diz que pichadores são possíveis ladrões de celulares e serão vigiados

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O prefeito João Doria (PSDB) voltou a chamar pichadores de criminosos e, dessa vez, ainda acrescentou que eles "provavelmente, roubam celulares" para poder comprar equipamentos e produtos para fazerem suas pichações. A afirmação foi feita no programa do Amaury Jr., da Rede TV, transmitido na última quarta-feira (15).

"São transgressores. Provavelmente rouba, roubam celulares, roubam outras coisas. Não estou afirmando, estou supondo, para poder comprar equipamentos, produtos para fazerem suas pichações. Em São Paulo, eles serão implacavelmente perseguidos e vigiados", afirmou o prefeito.

No início do mês, Doria, em outra entrevista, já tinha chamado pichadores de bandidos. "A prefeitura não vai ter tolerância com pichador. Não há diálogo com contraventor. Todo pichador é bandido. (...) Pichador não tem nada a ver com grafiteiro. A prefeitura vai gastar o que for necessário para proteger a cidade", disse na ocasião.

Dessa vez, o prefeito defendeu os trabalhos de grafiteiros e muralistas, afirmando que criará na capital paulista o Museu do Grafite e o Mar (Museu de Arte Urbana). "Muito em breve vamos estar anunciando, serão cinco museus de arte urbana", disse.

Já os pichadores foram excluídos dos planos para compor esses novos ambientes. "Pichador é um agressor, é um bandido urbano. É quem agride, quem vai pichar a porta da sua casa, aquele que vai agredir a porta do seu escritório, do seu estabelecimento, o que picha monumentos, picha pontes, picha tudo", afirmou o prefeito.

Segundo Doria, desde o início de seu mandato, em janeiro, foram presos 68 pichadores na capital paulista, que estão sendo processados.

Na última terça (14), a Câmara de São Paulo aprovou o projeto antipichação patrocinado por Doria, que estabeleceu multa de R$ 5.000 por pichação em prédios públicos e privados e de R$ 10 mil no caso de dano a monumentos e bens tombados. Também foi determinada a restrição da venda de tinta spray apenas para maiores de 18 anos.

Apesar disso, a Justiça paulista determinou no mesmo dia que a prefeitura está proibida de apagar grafites e murais pela cidade sem antes fazer uma consulta ao Conpresp (conselho municipal do patrimônio). A gestão Doria afirmou que recorrerá da liminar (decisão provisória).

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber