Mais lidas
Geral

ATUALIZADA - Com motim da Polícia Militar, mortes no ES sobem quase quatro vezes

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Durante o motim dos policiais militares do Espírito Santo, o número de mortos no Estado foi quase quatro vezes maior do registrado no mesmo período do ano passado.

De acordo com dados da Secretaria da Segurança Pública, entre os dias 4 e 13 de fevereiro, 143 pessoas foram assassinadas. Em 2016, foram 38. Os números do governo são quase iguais aos divulgados pelo Sindicato dos Policiais Civis (145), que vinha sendo a única fonte de informações.

Amotinados, os policiais não vinham fazendo o patrulhamento das ruas. Mulheres e parentes dos agentes de segurança se postaram em frente aos batalhões da corporação bloqueando a saída dos carros. Com isso, o Estado viveu uma onda de violência desenfreada.

O movimento, iniciado no dia 4, perdeu força apenas nesta semana, com a convocação do Estado para que os PMs se apresentassem ao trabalho em locais públicos. Até helicópteros foram usados para levar e retirar os PMs para os batalhões onde ficam seus equipamentos.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, cerca de 2.500 policiais atenderam aos chamados. A corporação tem cerca de 10 mil homens, dos quais 2.000 saem diariamente para as ruas do Estado. A segurança no ES tem sido feita também por cerca de 3.000 militares e agentes da Força Nacional de Segurança, que estão em território capixaba desde o início da semana passada.

A autorização para a permanência das tropas federais terminava nesta quinta-feira (16), mas o governo decidiu mantê-las no Estado por mais uma semana, até a próxima quinta-feira (23).

Na noite de terça (14), o juiz Mário da Silva Nunes Neto, da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual, ordenou a saída imediata de manifestantes e a remoção de obstáculos que possam interferir na entrada e saída dos quarteis e batalhões. Dez mulheres de PMs que bloqueavam os portões foram intimadas. Caso a decisão não fosse cumprida, o magistrado determinou o pagamento de multa de R$ 10 mil por dia, para cada manifestante.

PUNIÇÕES

Também na terça, o governo publicou uma lista com os nomes de militares indiciados pelo crime militar de revolta por conta do motim. Os 155 nomes foram publicados no "Diário Oficial" do Estado e responderão a Inquéritos Policiais Militares (IPMs) e processos administrativos que podem resultar desde em absolvição a até demissão e expulsão da PM.

Estão na lista: dois tenentes-coronéis, um major, um capitão da reserva, quatro primeiro-sargentos, três terceiro-sargentos, 28 cabos e 116 soldados. Esse são os primeiros policiais dos 703 anunciados pelo governo do Estado envolvidos no motim.

O crime militar de revolta prevê pena de 8 a 20 anos de prisão. Os procedimentos têm, inicialmente, prazo de 30 dias para serem concluídos. Neste período, as provas serão analisadas e os militares poderão ser absolvidos, sofrer sanções, ser presos, demitidos e até ser expulsos da corporação.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber