Geral

Mais enxuta, 4º MITsp irá debater racismo e reunir peças documentais

.

MARIA LUÍSA BARSANELLI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um pouco mais mais enxuta (os dez dias habituais de programação foram reduzidos para oito) e com orçamento reduzido, a quarta MITsp - Mostra Internacional de Teatro de São Paulo se volta a questões que permearam edições anteriores do evento.

O hibridismo de linguagens, visto desde o primeiro ano da mostra, surge agora no belga "Avante, Marche!", uma das sete produções internacionais que compõem a programação de 2017 -há ainda três peças nacionais.

O espetáculo dirigido por Alain Platel e Frank van Laecke, da companhia Les Ballets C de la B, abre a MITsp em 14 de março mesclando música, dança, teatro e performance na história fabular de um trombonista que precisa se despedir de seu instrumento.

A mistura de linguagens ainda está no alemão "Por que o Sr. R. Enlouqueceu?", da Münchner Kammerspiele com direção de Susanne Kennedy.

Inspirado no filme homônimo de Fassbinder, o espetáculo não usa vídeos, mas se apropria do roteiro cinematográfico "de uma maneira muito teatral", diz Antonio Araújo, diretor artístico da MITsp.

A questão do papel do negro, tema muito debatido na mostra do ano passado, volta à pauta. Em 2016, faria parte da programação a peça sul-africana "Exhibit B", que recria os zoológicos humanos que existiram na Europa no século 19 (um debate sobre o racismo, de acordo com o diretor Brett Bailey).

A peça foi alvo de protestos de movimentos negros e cancelada -segundo a organização da mostra, por cortes de verba, não pela polêmica.

Atores brasileiros que representariam os escravos da montagem se reuniram então na performance "Em Legítima Defesa", apresentada após algumas sessões da MIT 2016 e desdobrada, neste ano, em "A Missão em Fragmentos: 12 Cenas de Descolonização em Legítima Defesa", inspirada texto de Heiner Müller e dirigida por Eugênio Lima.

O tema é visto ainda na performance-concerto "Black Off", da sul-africana Ntando Cele, e em "Branco - O Cheiro do Lírio e do Formol", de Alexandre Dal Farra, sobre preconceitos velados. Além disso, estará em debates da programação paralela.

A coreógrafa Lia Rodrigues encena com seu grupo"Para que o Céu não Caia", espetáculo de dança sobre a harmonia e a afetividade entre povos e entre homem e natureza.

Outro eixo abordado neste ano, o teatro documental, surge em "Mateluna", do chileno Guillhermo Calderón, desdobramento de "Escola" (encenado na MITsp em 2014), inspirado na história do guerrilheiro Jorge Mateluna.

E o libanês Rabih Mroué apresenta três trabalhos documentais, em que mescla questões individuais e política: "Tão Pouco Tempo", sobre a figura do mártir árabe, "Revolução em Pixels", que questiona a forma como se registra conflitos, e "Cavalgando Nuvens", em que o irmão do encenador, baleado na cabeça aos 17 anos, fala da violência.

ORÇAMENTO

A edição 2017 da MITsp por pouco não saiu. "A gente chegou a considerar, em novembro, não fazer a mostra agora e jogá-la para 2018", diz Araújo. Segundo ele, os patrocínios demoraram a chegar.

A edição acabou com orçamento menor: R$ 2,9 milhões (sendo R$ 2,3 milhões captados via Lei Rouanet e R$ 600 mil por aportes diretos). No ano passado, a verba era R$ 3,4 milhões.

PROGRAMAÇÃO

INTERNACIONAIS

- "Avante, Marche!" (Bélgica), mescla de teatro e dança da companhia belga les Ballets C de la B

- "Por que o Sr. R. Enlouqueceu?" (Alemanha), da Münchner Kammerspiele, com direção de Susanne Kennedy, inspirada no filme de Fassbinder

- "Tão Pouco Tempo" (Líbano), peça documental de Rabih Mroué

- "Revolução em Pixels" (Líbano), peça documental de Rabih Mroué

- "Cavalgando Nuvens" (Líbano), peça documental de Rabih Mroué

- "Black Off" (África do Sul), performance-concerto da atriz e cantora Ntando Cele

- "Mateluna" (Chile), espetáculo documental do diretor e dramaturgo Guillermo Calderón

NACIONAIS

- "Para que o Céu Não Caia", da Lia Rodrigues Companhia de Danças

- "A Missão em Fragmentos: 12 Cenas de Descolonização em Legítima Defesa", dirigido por Eugenio Lima

- "Branco - O Cheiro do Lírio e do Formol", com dramaturgia de Alexandre Dal Farra

4ª MITSP

QUANDO 14 a 21 de março

ONDE Theatro Municipal, unidades do Sesc e outros espaços

INGRESSOS à venda a partir de 16/2 (nos site sescsp.org.br, ingressorapido.com.br e compreingressos.com) e, a partir de 17/2, nas bilheterias