Geral

ATUALIZADA - 'Decisão é ridícula', diz Trump sobre liminar que anula veto a imigrantes

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente dos EUA, Donald Trump, criticou neste sábado (4), em uma rede social, a liminar concedida por um juiz federal de Seattle que suspende o decreto anti-imigração assinado em 27 de janeiro. "A decisão deste chamado juiz, que essencialmente tira do nosso país o cumprimento da lei, é ridícula e será derrubada!."

Horas depois, ele voltou a criticar a decisão pelas redes sociais. "Para onde nosso país está indo quando um juiz pode paralisar um veto de viagem do Departamento de Segurança Doméstica e qualquer um, inclusive com más intenções pode entrar nos EUA?"

Na noite de sexta (3), o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, divulgou um comunicado segundo o qual o governo entraria com um recurso já neste sábado (4) contra a decisão "ultrajante" do juiz James Robart.

Com a suspensão do decreto, os cidadãos dos sete países de maioria muçulmana (Iêmen, Irã, Iraque, Líbia, Síria, Somália e Sudão) que estavam impedidos de entrar nos EUA por 90 dias passaram a ser aceitos pelas companhias aéreas no embarque de voos para solo americano.

A Qatar Airlines foi a primeira a voltar a permitir esses passageiros, desde que estejam com vistos válidos.. Air France, Emirates, Iberia e Lufthansa, entre outras, fizeram o mesmo.

No entanto, para algumas pessoas que haviam mudado seus planos devido ao veto, a nova mudança nas regras não dá garantias suficientes.

Em Dubai, Tariq Laham, 32, e sua noiva polonesa Natalia abandonaram os planos de viajar aos EUA após se casarem, em julho. O casal não irá rever a decisão. "É muito arriscado, disse Laham, sírio que trabalha numa empresa de tecnologia em Dubai. "A cada dia você acorda e há uma nova decisão."

Apesar das críticas de Trump, que passará o fim de semana em seu resort de Mar-a-Lago, na Flórida, o Departamento de Segurança Doméstica orientou seus funcionários, em e-mail interno divulgado na noite de sexta (3), a cumprir a decisão judicial.

O impasse, porém, ainda gera confusão. A Embaixada dos EUA em Bagdá informou que ainda esperava orientação do Departamento de Estado para comunicar aos iraquianos se as restrições estavam realmente suspensas.