Geral

Governo do Reino Unido apresenta diretrizes formais para o 'brexit'

.

DIOGO BERCITO

MADRI, ESPANHA (FOLHAPRESS) - O governo do Reino Unido apresentou nesta quinta-feira (2) suas diretrizes formais para o "brexit", o processo de saída da União Europeia.

O documento, conhecido como "white paper" (papel branco), estipula os planos para negociar a separação.

Essa era uma exigência de alguns parlamentares, insatisfeitos que os rumos tivessem sido propostos apenas de maneira oral, em um discurso da primeira-ministra conservadora, Theresa May.

May resistia em publicar o "white paper", afirmando que sua fala era o bastante para indicar seus planos.

As disputas entre governo e Parlamento preocupam o gabinete de May. Legisladores podem influenciar o processo de saída do Reino Unido desse bloco econômico.

A Justiça determinou no mês passado que May precisa do aval do Parlamento para ativar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa, mecanismo que dá início formal à separação.

Parlamentares votaram a favor na quarta-feira (1º), em uma primeira etapa. A consulta deve ser concluída durante a próxima semana.

EMENDA

O "white paper" foi publicado após o discurso de David Davis, ministro especial para o "brexit", pouco antes das 13h no horário de Londres (às 11h em Brasília).

O papel contém a indicação, já feita pela primeira-ministra, de que o Reino Unido deixará o mercado único europeu, que reúne 500 milhões de consumidores -um dos pontos controversos, no Parlamento.

Legisladores devem tentar emendar os planos do governo durante os próximos dias e amenizar essa diretriz.

Se o governo conseguir manter seu cronograma, vencendo os parlamentares descontentes, a primeira-ministra deve acionar o Artigo 50 até o fim de março. O processo de separação pode durar até dois anos, retirando o Reino Unido da União Europeia em meados de 2019.

Apesar da preocupação dos mercados globais, o Banco da Inglaterra revisou nesta quinta-feira sua previsão de crescimento para o Reino Unido. O PIB (Produto Interno Bruto) deve subir 2% neste ano, em vez do 1,4% antes previsto. A estimativa para 2018 é de 1,6%.