Mais lidas
Geral

Fittipaldi estrela campanha de Doria para aumento de limite em marginais

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-piloto Emerson Fittipaldi foi escolhido pela equipe de João Doria (PSDB) para a campanha do programa Marginal Segura, que prevê o aumento da velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros.

Promessa de campanha do tucano, a partir de 25 de janeiro, as velocidades vão subir de 70km/h para 90 km/h (pista expressa), de 60 km/h para 70 km/h (central), e 50 km/h para 60 km/h (local). A exceção é para a primeira faixa da pista local, que permanece em 50 km/h.

"Nas minhas corridas, a segurança sempre esteve em primeiro lugar", diz o bicampeão mundial de Fórmula 1. "A partir de 25 de janeiro, as velocidades nas marginais serão readequadas. Faça como eu: não use celular dirigindo, respeite o motociclista, o ciclista e o pedestre. Respeite a sinalização. Nas pistas ou no trânsito, quem tem que estar na frente é a vida. Trânsito bom é trânsito seguro", continua.

Doria tem dito que todos os custos da operação Marginal Segura serão de doações. A reportagem questionou a prefeitura se o ex-piloto receberá cachê, mas não obteve resposta até o momento.

Além de muitos títulos, Fittipaldi também foi protagonista de um acidente que correu risco de morte, durante um Grande Prêmio de Michingan Fórmula Cart, nos Estados Unidos, em 1996.

REDUÇÃO

Em julho de 2015, a gestão Fernando Haddad (PT) reduziu os limites de velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros.

Segundo o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, do sistema Infosiga, ligado à gestão Geraldo Alckmin (PSDB) no governo estadual, foram 950 óbitos no trânsito da capital em 2016, representando uma queda de 15,1% em relação às 1.119 mortes registradas pelo sistema no ano anterior.

Uma associação de ciclistas entrou com uma ação civil na Justiça de São Paulo para tentar barrar o aumento dos limites de velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros. O pedido baseia-se principalmente no fato de que a gestão Doria tem sido incapaz de dar garantias de que a medida não coloque em risco à vida de quem circula por aquelas vias.

"Não dá para testar programas desse porte em vidas humanas", resume Rene Fernandes, diretor da Ciclocidade (Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo). "Quando o presidente da CET fala do programa Marginal Segura, considera melhorar a fluidez do tráfego e o número de veículos, mas ignora a possibilidade de atropelamentos e colisões que vão ocasionar lesões corporais e mortes", completa.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber