Geral

Hungria fará referendo sobre cota para migrantes, afirma premiê

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Hungria vai realizar um referendo sobre o plano europeu que obriga os países da União Europeia a aceitarem cotas de migrantes, anunciou nesta quarta-feira (24) o primeiro-ministro do país, Viktor Orban.
"O governo decidiu submeter a referendo a questão da repartição obrigatória de cotas de refugiados", afirmou Orban à imprensa.
Ele não informou a data da consulta.
Apesar da oposição de vários Estados membros, entre eles a Hungria, a Polônia e a Eslováquia, a União Europeia adotou um plano sobre a distribuição de 160 mil refugiados para aliviar países como Grécia, Itália e Alemanha, que absorvem a maior parte dos migrantes que chegam ao continente.
160 MIL
Em setembro do ano passado, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, instou os países da União Europeia a aprovar um plano emergencial de distribuição de 160 mil refugiados entre si.
Para Juncker, os principais países de entrada desses estrangeiros, Grécia, Itália e Hungria, não poderiam acolher sozinhos os recém-chegados.
"A crise de refugiados não vai simplesmente terminar. É a hora de agir", disse à época Juncker.
O vice-chanceler alemão, Sigmar Gabriel, afirmou, em seguida, que o plano para dividir os 160 mil refugiados era uma gota no oceano.