Geral

Obama apresenta ao Congresso plano para fechar Guantánamo

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente dos EUA, Barack Obama, defendeu nesta terça-feira (23) o fechamento da prisão americana na Baía de Guantánamo, em Cuba, reiterando o argumento de que o centro de detenção ameaça a segurança nacional americana.
Em seu mais recente esforço para cumprir sua promessa de campanha de 2008 de fechar o controverso centro prisional, o líder americano anunciou que seu governo enviou uma nova proposta de fechamento da prisão ao Congresso.
"Não quero passar esse problema para o próximo presidente, quem quer que seja. Vamos deixar isso continuar por mais 15 anos?", indagou, em pronunciamento na Casa Branca.
"Manter essa instalação aberta é algo contrário a nossos valores. Ela mina nossa posição no mundo. Ela é vista como uma mancha em nosso histórico mais amplo de respeitar os padrões mais altos da lei."
O objetivo é persuadir os legisladores americanos a permitir que o Departamento de Defesa transfira cerca de 60 detentos para prisões dentro dos EUA.
Para a transferência, o plano considera 13 diferentes locais nos EUA. Destes, sete são prisões já existentes -quatro no Colorado, duas no Kansas e uma na Carolina do Sul.
Os outros seis seriam bases navais a serem transformadas em centros de detenção.
A Colorado State Penitentiary II, também conhecida como Centennial Correctional Facility, em Canon City, seria, na avaliação das autoridades americanas, a mais adequada a receber os chamados prisioneiros "para sempre", que os EUA consideram que não podem ser transferidos.
Os custos para a construção e adaptação dos espaços para receber os detentos estariam entre US$ 290 milhões e US$ 475 milhões. No entanto, só em reformas em Guantánamo, se o centro seguir sendo usado, os EUA gastariam US$ 225 milhões.
Os custos de operação estimados nos EUA também seriam significativamente menores: entre US$ 265 milhões e US$ 305 milhões por ano. Em Guantánamo, o valor gasto para manter a prisão funcionando é de US$ 445 milhões por ano.
Por causa da poupança em custos operacionais, as autoridades dizem que os EUA compensariam os custos iniciais de construção em três a cinco anos.
Há atualmente 91 detentos em Guantánamo. Destes, até 56 poderiam ser enviados aos EUA, se a prisão for fechada neste ano. Os outros 35 já tiveram a transferência aprovada e podem ser enviados a outro país.
O número de presos teve seu pico em 2003, quando Guantánamo detinha 680 pessoas. Havia 245 quando Obama assumiu a Presidência, em 2009.