Mais lidas
Geral

Novos exames em bebês do RN com microcefalia apontam infecção por zika

.

NATÁLIA CANCIAN
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Novos exames feitos em dois bebês com microcefalia que morreram após o parto e em dois fetos cujas mães tiveram aborto espontâneo no Rio Grande do Norte tiveram resultado positivo para o vírus zika.
Os resultados ocorrem após testes feitos pelo CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), dos Estados Unidos, um dos órgãos que acompanham as investigações sobre os casos, a partir de amostras encaminhadas por pesquisadores da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte).
O novo achado - que se soma a outros três casos "positivos" para zika, dois de fetos identificados com microcefalia ainda na gestação e um de um bebê do Ceará que morreu após o parto - deve ser divulgado no próximo boletim do Ministério da Saúde, previsto para esta terça-feira (12).
Segundo o infectologista Kleber Luz, que enviou as amostras, os resultados reforçam a possibilidade de ligação entre os casos de microcefalia e o vírus zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.
Esta também é a primeira análise divulgada sobre o vírus em fetos cujas mães sofreram abortos espontâneos nos primeiros meses da gestação.
A análise ocorreu por meio de testes RT-PCR e de imunohistoquímica, que verificam o material genético do vírus e servem para diagnóstico de doenças infecciosas. "São testes que detectam fragmentos do vírus no tecido", diz Luz. "Isso mostra que não só tiveram infecção como o vírus está onde tiveram a lesão."
Entre os casos, dois são de bebês diagnosticados com microcefalia e que morreram horas após o parto, e que tiveram amostras coletadas de tecidos do cérebro. Os outros dois são de fetos que estavam próximos da 12ª e 16ª semana de gestação, cujas mães sofreram abortos espontâneos.
De acordo com Luz, o alerta ocorreu após as mães informarem terem tido manchas vermelhas durante a gravidez, um dos sintomas da infecção por zika.
Os casos também tiveram resultados negativos em testes para outras infecções, como toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, herpes, HIV, sífilis e dengue.
OUTROS FATORES
A discussão sobre a relação entre os casos de microcefalia e o vírus zika vêm sido alvo de dúvidas no país.
Em São Paulo, pesquisadores que fazem parte de uma força-tarefa liderada pelo Instituto de Ciências Biomédicas da USP avaliam a possibilidade de outros fatores, além da ação isolada do micro-organismo, estarem relacionados ao aumento de casos de microcefalia.
Um dos principais impasses é a falta de testes que possam detectar rapidamente o vírus - até agora, os casos confirmados da ligação com o vírus ocorreram por exames complexos ou com amostras de bebês que morreram após o parto, daí as amostras. Também não há informações claras de quanto tempo o vírus permanece no corpo.
Para Luz, um dos primeiros a identificar o vírus zika no Brasil, os novos resultados ajudam a confirmar a relação. "São [resultados de] métodos usados para diagnóstico de infecção congênita."

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber