Facebook Img Logo
  1. Edhucca Banner
Mais lidas
Geral

Novo governo recua de pedir suspensão da Venezuela do Mercosul

.

MARIANA CARNEIRO
BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - A futura chanceler da Argentina, Susana Malcorra, disse indicou nesta segunda (7) que o país deverá voltar atrás no pedido de punição contra a Venezuela no âmbito do Mercosul.
Em entrevista à rádio Mitre, ela afirmou que, para acionar a cláusula democrática, que poderia acarretar na suspensão da Venezuela do bloco, são necessários "fatos concretos", e que a Argentina esperava para ver a reação de Nicolás Maduro às eleições legislativas do último domingo (6).
"Hoje podemos dizer que as eleições [venezuelanas] transcorreram dentro do marco democrático, tudo indica que os resultados foram aceitos pelo presidente [Nicolás] Maduro. Temos que ver como isso tudo vai terminar, mas nada indica que haja uma razão para acionar a cláusula democrática", afirmou Malcorra.
"A reunião do Mercosul [marcada para o dia 21 de dezembro, em Assunção, no Paraguai] será uma oportunidade para tratar deste assunto, ainda não tive a oportunidade de conversar com todos colegas da região após a eleição [na Venezuela], mas acredito que o que temos que fazer neste momento é felicitar o povo venezuelano e reconhecer que o governo fez um gesto muito, muito claro de aceitar o resultado das eleições."
O tema era um ponto de divergência entre Macri e Dilma Rousseff, uma vez que o governo do Brasil vem mantendo silêncio sobre as prisões de políticos opositores no país.
Macri e Dilma chegaram a tratar do assunto em encontro em Brasília, na semana passada. Mas antes de chegar ao Brasil, Malcorra já havia indicado que era importante verificar como ocorreriam as eleições na Venezuela e se o resultado seria acatado pelo governo.
A chanceler disse ainda que os embaixadores de Brasil, Chile e Espanha serão designados nas "próximas horas ou dias" e que a nova política exterior argentina será mais pragmática e menos ideológica.
Um exemplo é uma relação distinta com os EUA, cujo tratamento foi desgastado durante o kirchnerismo, que optou pelo enfrentamento com Washington.
"A relação com os EUA, sem dúvidas, será muito fluida. É o maior país número 1 em termos de poder econômico e posicionamento estratégico, então negar uma relação com os EUA seria perder uma enorme oportunidade", disse.
"O presidente [Barack] Obama telefonou ao presidente eleito, tiveram uma boa conversa inicial e eu recebi indicações de que, antes de deixar o mandato, o presidente Obama quer visitar a Argentina", disse.
Sobre a aproximação da Argentina com o Irã, que havia se intensificado na gestão de Cristina, sobretudo após o pacto de 2013, para investigar o atentado à bomba em Buenos Aires, em 1994, Malcorra evitou dar detalhes. Após a eleição, Macri afirmou que cancelaria o tratado, pois não havia "ajudado a unir os argentinos".
"O presidente deu indicações claras sobre o que acredita [sobre o Irã] e eu tenho que instrumentalizar sua decisão. Ainda não estou em condições de dizer mais do que isso", afirmou.


O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber