Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Após vitória na Venezuela, oposição promete anistia a presos políticos

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A oposição venezuelana prometeu fazer uso de sua maioria na Assembleia Nacional, conquistada nas eleições de domingo (6), para libertar os políticos antichavistas detidos no país.
O secretário-executivo da coalizão MUD (Mesa da Unidade Democrática), Jesús Torrealba, declarou nesta segunda-feira (7) que será prioridade da oposição a aprovação de uma lei de anistia em favor dos políticos perseguidos ou presos no país.
Ele prometeu devolver os direitos "dos que foram injustamente perseguidos, encarcerados, exilados ou excluídos da política".
A oposição tem uma lista de mais de 70 presos políticos no país. O mais conhecido deles é Leopoldo López, condenado a 14 anos de prisão sob a acusação de incitar protestos violentos que atingiram o país em 2014.
Torrealba também disse que os deputados da MUD, que assumem seus cargos em 5 de janeiro, devem abrir uma investigação sobre a prisão pelos EUA de dois sobrinhos da primeira-dama da Venezuela, Cilia Flores, acusados de tráfico de drogas.
O líder da MUD rebateu acusações do governo, reafirmando que a oposição não vai tentar desmontar os programas sociais implementados durante o governo do ex-presidente Hugo Chávez (1999-2013).
"Nós estivemos divididos por anos, e o país não ganhou nada com esse erro histórico", disse Torrealba, pedindo unidade após as eleições. "A MUD não está aqui para destratar ninguém."
RESULTADO ELEITORAL
Com 96% dos votos apurados, a MUD obteve ao menos 99 das 167 cadeiras do Parlamento unicameral. O chavista PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela) obteve 46 deputados.
A maioria simples já é suficiente para aprovar a anistia aos presos políticos, eleger o presidente da Assembleia, avaliar decretos de estado de exceção e convocar referendos.
O resultado deste domingo é amplamente visto como rejeição em massa a um governo que é responsabilizado pela degradação abrupta das condições de vida, acirrada com a degringolada dos preços petroleiros a partir de 2014. A Venezuela enfrenta recessão, desabastecimento generalizado e índices de violência dignos de país em guerra.
A oposição era dada como favorita, mas as últimas pesquisas indicavam fortalecimento da intenção de voto chavista. O processo eleitoral foi marcado por abusos e irregularidades.
A participação foi de 74,25%, um número que superou com folga as projeções.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber