Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Uruguai e Paraguai condenam morte e pedem respeito a eleição na Venezuela

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os governos do Uruguai e do Paraguai condenaram nesta sexta-feira (27) a morte do opositor venezuelano Luis Manuel Díaz e pediram que as autoridades garantam a segurança da oposição e respeitem o resultado eleitoral.
Com as declarações, os dois países elevaram o tom em relação ao governo de Nicolás Maduro. Também nesta sexta, a Chancelaria brasileira pediu que a Venezuela zele para que as eleições transcorram de forma limpa e pacífica.
Em nota, o Ministério das Relações Exteriores uruguaio repudiou a morte do opositor e pediu a investigação do crime. O país ainda pede que o governo venezuelano dê as condições para que as eleições no país sejam livres.
"O governo do Uruguai faz um chamado à calma, à tolerância, a garantir a liberdade de expressão e evitar por todos os meios a incitação à violência nesta etapa da campanha eleitoral", diz o comunicado.
Durante encontro com o colega espanhol, José Manuel García-Margallo, em Assunção, o chanceler paraguaio, Eladio Loizaga, manifestou a preocupação do país com a situação na Venezuela.
Segundo o ministro, o governo paraguaio espera que se respeitem os resultados das próximas eleições e que estas se deem com a maior participação possível. "Esse é o jogo democrático", disse, durante a entrevista.
Secretário do Ação Democrática, Díaz foi assassinado em comício da Mesa de Unidade Democrática em Altagracia de Orituco (a 124 km de Caracas) na quarta (25). A mulher de Leopoldo López, Lilian Tintori, participava do evento.
A morte ocorreu a 11 dias da eleição parlamentar venezuelana, em que pesquisas apontam como ganhadores os rivais de Nicolás Maduro. Nos últimos dias, o governo chavista deu sinais de que não aceitaria uma derrota no pleito.
MERCOSUL
A mudança de tom de Brasil, Paraguai e Uruguai acontece depois que o presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri, defendeu que a Venezuela seja suspensa do Mercosul por não se enquadrar na cláusula democrática.
Nos últimos meses, os três países tem reagido de forma mais crítica a ações do governo chavista, como a condenação do dirigente opositor Leopoldo López e às dificuldades impostas à missão de acompanhamento eleitoral da Unasul.
Em outubro, as autoridades venezuelanas rejeitaram o ex-presidente do TSE Nelson Jobim como chefe da comissão do bloco sul-americano. Depois do veto, o órgão eleitoral brasileiro deixou os trabalhos com a Unasul.
Os presidentes também são pressionados internamente por suas respectivas oposições, que pedem uma ação mais dura contra Maduro. Dentre os membros da Unasul que não são membros plenos do Mercosul, Chile e Colômbia também condenaram o assassinato.
O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, disse que a morte de Luis Manuel Díaz não tem nenhuma justificativa. "Esperamos que seja feita toda a investigação do caso, que os responsáveis sejam enviados à Justiça e tomara que não tenhamos eleições com violência."
Na quinta, o chanceler chileno, Heraldo Muñoz, disse esperar que seja garantido um clima de paz para as eleições parlamentares.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber