Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Geral

Clima em Paris é de perplexidade; TVs interrompem transmissão ao vivo

.

CÍNTIA CARDOSO
PARIS, FRANÇA (FOLHAPRESS) - O estado de urgência na França anunciado pelo presidente François Hollande após os ataque em Paris foi interpretado pela mídia francesa como um declaração de guerra.
A imprensa também destacou que as ações desta sexta-feira aumentam a preocupação com a segurança da COP 21, Conferência Mundial sobre o Clima que acontece entre os dias 30 de novembro e 11 de dezembro em Paris. A reunião de cúpula reunirá 40 mil participantes e delegações de 196 países.
Às 23 horas no horário local (20 horas em Brasília) o clima ainda era de perplexidade com a dimensão dos ataques e as redes sociais foram os principais canais de informação -em tempo real- da ação dos criminosos.
Antecipando-se às medidas ao estado de urgência anunciado pelo presidente, a Prefeitura de Paris pediu que os moradores da capital permanecessem em casa na noite desta sexta.
A mesma recomendação foi feita pelo alto comando da policia parisiense.
Em entrevista ao site do jornal "Le Figaro", um espectador que assistia a um concerto no Bataclan declarou ter visto dois homens armados e vestidos "normalmente" entrarem e atirarem no lado de fora e no interior na sala de espetáculos. Ao canal de televisão BFM, uma testemunha presente no mesmo local disse que um dos atiradores gritou : "Pela Síria!" antes de disparar contra a plateia.
Pelo Twitter, fotos dos pontos atingidos pelos ataques foram partilhadas pelos internautas. E, a exemplo da hashtag #JesuisCharlie lançada após o atentado contra a redação do jornal satírico "Charlie Hebdo" em janeiro deste ano, a hashtag #PrayForParis (orem por Paris) começou a circular na noite de sexta.
Por medida de segurança, por volta de meia-noite e meia, hora local, as televisões interromperam as transmissões ao vivo dos arredores da casa de shows Bataclan.
Durante os ataques de janeiro deste ano, alguns canais foram duramente criticados pelas autoridades francesas por semearem o pânico e atrapalharem a ação policial na operação de tentativa de resgate de reféns da mercearia judaica que foi alvo de um atentado terrorista que terminou com quatro mortos.
FRONTEIRAS FECHADAS
Depois dos ataques que deixaram dezenas de mortos em Paris, o presidente François Hollande anunciou "estado de urgência" em todo o país. Segundo o chefe de Estado francês, a decisão é uma resposta a "ataques terroristas sem precedentes".
A medida significa fechamento das fronteiras, poderes especiais para a polícia realizar investigações e operações de busca e limitação da circulação em pontos determinados pelas autoridades em toda a França.
De acordo com o presidente, "o fechamento das fronteiras foi decidido para que as pessoas que cometeram esse crime possam ser detidas. Sabemos de onde veio esse ataque. Temos que mostrar compaixão e solidariedade, mas temos também que mostrar união", disse Hollande.
Em um pronunciamento de cinco minutos com a voz trêmula, pouco antes da meia-noite (21h em Brasília), o presidente francês disse que os atentados desta sexta-feira (13) foram "um horror", mas que a França não se deixaria intimidar. "Face ao terror, a força tem que ser grande e as autoridades do Estado têm que ser firmes".
Antes de encerrar seu breve discurso, Hollande ressaltou:
"Sabemos quem são os criminosos e quem são esses terroristas" e acrescentou que "operações delicadas" contra o terrorismo ainda estavam em andamento.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber