Mais lidas
Geral

Professores de SP fazem novo ato conta reforma em ciclos de ensino

.

FERNANDA ATHAS
SÃO PAULO (FOLHAPRESS) - A Praça da República, no centro de São Paulo, foi palco nesta terça-feira (20) de mais uma manifestação contra a medida proposta pelo governo de Geraldo Alckmin (PSDB), que reorganiza as escolas estaduais por ciclos únicos de educação.
Cerca de 3 mil pessoas compareceram, segundo organizadores do protesto. A Polícia Militar não informou a estimativa de público.
O ato começou por volta das 15h em frente a secretaria de Educação, na praça da República. Policiais militares cercaram o prédio com grades de isolamento, mas não houve registro de confrontos.
Dessa vez, a manifestação foi convocada pela Apeoesp (sindicato dos professores) e contou com a presença de professores, alunos, pais e movimentos estudantis, como a UMES e a UNE. Os manifestantes utilizaram bonecos infláveis representando o governador de São Paulo.
Após o protesto, por volta das 16h15, os manifestantes começaram a seguir em direção à avenida Paulista, onde encerrariam o ato em frente ao Masp. Muito lixo, panfletos e jornais jogados pelo chão da praça foram deixados para trás.
As manifestações anteriores foram organizadas por alunos e movimentos estudantis, com o apoio da Apeoesp, que cedeu ônibus e faixas.
DIA DOS PROFESSORES
Na última quinta-feira (15), data que celebrou o Dia dos Professores, manifestantes e policiais entraram em confronto em frente ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.
Pais, alunos, professores e diferentes movimentos sociais e estudantis participaram do ato, como o movimento Juntos, Anel (Associação Nacional dos Estudantes Livres) e UMES (União Municipal dos Estudantes Secundaristas). Segundo os organizadores, cerca de 2 mil pessoas estiveram presentes, segundo os organizadores.
Às 13h, um grupo de manifestantes com máscaras entrou em confronto com os policiais que faziam a segurança em frente à sede paulista, o que dispersou os manifestantes e diminuiu o protesto.
O grupo começou a jogar pedras e pedaços de madeira dentro do palácio. Um carro de luxo que passava em frente ao local também foi alvo das pedras. Durante o tumulto, os policiais usaram bombas para dispersar os manifestantes. Um carro da polícia foi apedrejado e ficou com para-brisa trincado. Apesar da confusão, a PM informou no local que nenhuma pessoa foi detida.
Em nota, a Secretaria da Casa Civil informou que "repudia a ação truculenta de vândalos que atacaram a sede do governo paulista" nesta quinta. Segundo a pasta, o grupo depredou equipamentos públicos dos arredores do Palácio dos Bandeirantes, além de "arremessar pedras, rojões e bombas caseiras para o interior do prédio, gerando pânico entre os funcionários e as cerca de 70 crianças de quatro meses a seis anos que ficam na creche".
Ainda segundo o texto, após a dispersão dos manifestantes foram encontrados dois artefatos explosivos, que precisaram ser detonados pelo Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais).
REORDENAÇÃO DOS CICLOS
A meta da Secretaria de Estado da Educação é manter, em cada colégio, apenas um ciclo de ensino - anos iniciais (1º ao 5º) do ensino fundamental ou anos finais (6º ao 9º) do fundamental ou ensino médio. Com isso, alunos serão transferidos.
O processo afetará até mil escolas estaduais e entre 1 milhão e 2 milhões de estudantes. A rede soma 5.108 unidades e 3,8 milhões de alunos. A secretaria da Educação afirma que o aluno que precisar ser transferido irá para um colégio a até 1,5 km do endereço anterior. A pasta diz, ainda, que analisa a situação de 3.600 das 5.108 escolas em todo o Estado. Cerca de mil devem sofrer mudanças.
O secretário estadual da Educação, Herman Voorwald, afirmou na terça (13) que os estudantes das escolas públicas de São Paulo também deveriam protestar quando professores da rede de ensino fizerem greves extensas. Neste ano, docentes fizeram paralisação de 89 dias, a mais longa da história da rede - e que terminou sem que a gestão tucana tenha feito proposta de reajuste salarial.
"É muito interessante o aluno protestar. Quem sabe estejamos criando na educação o protesto para que não falte professor. Para que as greves [de professores] não sejam tão extensas, para que uma greve de 90 dias seja um absurdo numa rede de 4 milhões de estudantes", disse à reportagem, por telefone.
OUTROS PROTESTOS
Na terça (13), dois protestos ocorreram na porta da secretaria da Educação, na praça da República, no centro de São Paulo. O primeiro, pela manhã, reuniu representantes de oito escolas. O outro, à tarde, teve cerca de 200 estudantes da escola Jornalista Carlos Frederico Werneck Lacerda (Pirituba).
Pais e estudantes da unidade disseram que a direção avisou que ela será fechada. "Qual a logística desse plano de fechamento? Quem levará nossos filhos para as escolas? Não há comunicação, não sei o que vai acontecer", diz o autônomo Carlos Couto, 36, pai de dois alunos.
Na semana passada, também houve manifestações. Em uma delas, no centro da cidade, duas pessoas foram detidas pela polícia. Alunos e funcionários da escola Padre Saboia de Medeiros, por exemplo, participaram do ato.
"Nossa diretora foi avisada que a escola será fechada", afirmou um servidor, que não quis se identificar. Segundo a secretaria, no entanto, a escola não está na lista de 3.600 que estão sendo analisadas para a mudança. Outros protestos ocorreram em frente a diretorias regionais de ensino, nas zonas leste e sul.

DÚVIDAS SOBRE REFORMA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO
1 - O que mudará na rede em 2016?
O governo decidiu dividir os colégios por ciclos de ensino. O objetivo é que a maioria das unidades ofereça classes de apenas um dos três ciclos -anos iniciais do fundamental (1º ao 5º), anos finais (6º ao 9º) e ensino médio.

2 - Quantos alunos serão afetados?
Segundo o governo, o plano vai afetar até mil escolas e entre 1 milhão e 2 milhões de alunos -a rede tem 5.108 escolas e 3,8 milhões de estudantes.

3 - Alguma escola será fechada?
O governo admite que sim, mas afirma que os espaços continuarão sendo usados para educação, com creches ou escolas técnicas, por exemplo.

4 - Por que essa mudança?
O governo afirma que as escolas têm vagas ociosas, já que perderam quase 2 milhões de alunos nos últimos 14 anos. A divisão favoreceria "a gestão das unidades e a adoção de estratégias pedagógicas focadas na fase de aprendizado dos alunos".

5 - Já estão definidas as escolas que serão alteradas?
Segundo a secretaria, não. Até dia 23, os 91 dirigentes de ensino do Estado terão que apresentar sugestões.

6 - Quando o aluno saberá se foi transferido?
No dia 14 de novembro, por meio de reuniões nas escolas.

7 - Em caso de mudança, o aluno poderá escolher a nova escola?
Em dezembro, a secretaria abrirá um período de transferência "por preferência".
Inicialmente, os alunos precisam alterar seus dados em www.atualizeseusdados.educacao.sp.gov.br para que sejam rematriculados na escola mais próxima de casa.




×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber