Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Afegãos solicitaram ataque em Kunduz que atingiu hospital, diz general

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ataque aéreo que matou 22 pessoas em um hospital gerido pela ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) no norte do Afeganistão havia sido solicitado pelas forças afegãs, afirmou o comandante da missão americana no país.
O general John F. Campbell, chefe das forças americanas e da coalizão contra o Taleban, falou em uma conferência com jornalistas montada às pressas no Pentágono nesta segunda-feira (5). Ele afirmou estar corrigindo um comunicado inicial.
"Nós tomamos conhecimento agora de que, em 3 de outubro, forças afegãs nos informaram que estavam sob fogo de posições inimigas e pediram apoio de forças dos EUA", disse Campbell, sobre a operação em Kunduz.
"Um ataque aéreo foi então requisitado para eliminar a ameaça Taleban e diversos civis foram acertados acidentalmente. Esta [versão] é diferente dos relatos iniciais que indicavam que forças dos EUA foram ameaçadas e que o ataque aéreo foi solicitado a pedido destes", afirmou o general.
A revisão do comunicado não esclarece se o hospital onde a Médicos sem Fronteiras trabalha foi identificado erroneamente como alvo ou se outros erros foram cometidos pelos americanos.
"Se erros foram cometidos, nós vamos admiti-los", disse Campbell.
O general se recusou a fornecer mais detalhes sobre o ocorrido, afirmando que uma investigação militar está em curso.
Campbell, cujo centro de operações está alocado em Cabul, se encontrava em Washington nesta segunda-feira para prestar depoimento a duas comissões do Congresso ao longo da semana.
Além dos 22 mortos -12 funcionários e sete pacientes, três dos quais crianças-, o ataque em Kunduz deixou ao menos 37 feridos. De acordo com a MSF, cem pessoas estavam no prédio durante o bombardeio.
Nesta segunda, moradores e policiais de Kunduz afirmaram que a coalizão já havia recuperado boa parte da cidade, que havia caído sob domínio do Taleban na semana anterior.
Soldados estavam conduzindo revistas de porta a porta nas casas e nos prédios para eliminar todos os bolsões de resistência contra Cabul. Algumas lojas reabriram, e residentes afirmaram que, pela primeira vez em oito dias, não ouviram o som de disparos e saíram às ruas para comprar mantimentos.
Kunduz é uma capital de província com 300 mil habitantes em uma região estratégica do país. A tomada da cidade pelo Taleban foi considerada uma das maiores conquistas da milícia em mais de uma década.
RESPOSTAS
Na noite de sábado, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse ter pedido ao Departamento de Defesa que o informe sobre toda a investigação e que só se pronunciaria após o resultado. Ele prestou condolências às famílias das vítimas.
Assista
O presidente afegão, Ashraf Ghani, manifestou "profunda tristeza" com as mortes.
Já a ONG cobrou respostas para o bombardeio em comunicado.
"A MSF demanda uma explicação total e transparente da coalizão sobre suas atividades em Kunduz na manhã deste sábado", disse a organização.




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber