Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Geral

Dilma usa economia para justificar emissões de gases estufa

.

MARCELO NINIO E THAIS BILENKY
NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - A presidente Dilma Rousseff admitiu neste domingo (27) que o país vai cortar menos emissões de gases estufa do que tem cortado até agora, mas afirmou que esse movimento é necessário para manter o crescimento econômico.
Em entrevista após o anúncio das metas climáticas, na ONU, Dilma afirmou que o país manterá o "horizonte" de redução das emissões, mas que "seria um esforço inaudito" manter o ritmo.
As emissões brasileiras de gases de efeito estufa caíram 41% entre 2005 e 2012 devido à redução do desmatamento, fazendo com que o país cumprisse a meta assumida na Cop-15 (conferência da ONU em Copenhague), em 2009. Na ocasião, o Brasil prometeu reduzir de 36% a 39% as emissões entre 2020 a 2025.
Neste domingo, Dilma disse que manteria o "horizonte", mas a um ritmo menor. "O crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) alimenta o crescimento de emissões", justificou. A projeção do Banco Central é que a economia do país se retraia em 2,7% neste ano.
MERCADO DE CARBONO
A presidente afirmou que o governo tem interesse no mercado de carbono, conceito em que se estipula um limite de emissões totais e as partes podem vender cotas excedentes.
Mas, para ela, a pequena participação do carvão na matriz energética brasileira faz com que o país seja mais um vendedor de cotas do que comprador.
Nesta semana, a China se comprometeu a implementar um mercado de carbono até 2017 como forma de reduzir as suas emissões de gases de efeito estufa.
A presidente elogiou a iniciativa, anunciada pelo presidente Xi Jinping ao lado do americano Barack Obama, em Washington. "O país deu e dá uma grande contribuição ao mundo", afirmou.
A presidente defendeu que países desenvolvidos se comprometam com metas maiores. "O Brasil e a China entramos, ambos, depois no processo de industrialização. O que acumulamos de emissão é menor do que qualquer país desenvolvido, por isso a Conferência de Kyoto criou o conceito de responsabilidade comum, porém diferenciada", disse.
USINAS
A presidente disse que a energia hidrelétrica é a melhor para garantir o aumento da participação de fontes renováveis na matriz energética, a despeito de questionamentos ambientais e sobre populações indígenas afetadas.
"Não estamos querendo ir para a Amazônia e colocar uma usina de carvão no meio da selva", argumentou. O país "não pode abrir mão" de hidrelétricas enquanto a tecnologia de estocagem de energia solar e eólica não se desenvolverem, disse.
Dilma afirmou que "a energia hidrelétrica, até agora, é a mais barata em termos do que ela dura, da sua manutenção e também pelo fato de a água ser gratuita e de a gente poder estocar".
"Um país do tamanho do Brasil não consegue se manter se não tiver energia de base, que, até hoje, são aquelas fósseis e físseis [nuclear]", como o gás, o carvão e o diesel, afirmou. A hidrelétrica, comparou, é mais "amigável" ao ambiente.
Dilma afirmou países que criticam o Brasil pelo uso de hidrelétricas exploraram em "85% a 90% de seu potencial hídrico e não abriram mão dele, porque é competitivo".

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber