Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Peças desconectadas geraram acidente com filho de Alckmin, conclui Cenipa

.

WÁLTER NUNES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), da Aeronáutica, informou nesta terça-feira (2) que a queda do helicóptero que matou Thomaz Alckmin, filho do governador Geraldo Alckmin (PSDB), aconteceu porque dois componentes fundamentais para que o piloto comandasse a aeronave estavam desconectados.
Segundo o centro de investigações, o problema já acontecia no momento da decolagem e aponta para uma possível falha na manutenção da aeronave que caiu há dois meses em Carapicuíba, na Grande São Paulo. A manutenção da aeronave foi feita pela empresa Helipark, que ainda não se manifestou sobre a nota do Cenipa.
Segundo a Aeronáutica, os estudos apontam que o piloto Carlos Haroldo Isquerdo, 53, esteve durante todo o voo no comando do helicóptero. Havia a suspeita de que Thomaz Alckmin pudesse estar pilotando a aeronave. Os danos nas pás do rotor, na cauda e no motor foram em decorrência da queda e não o motivo do acidente, afirma o documento.
Além de Thomaz e do piloto, outras três pessoas morreram no acidente: o mecânico Paulo Henrique Moraes, 42, funcionário da empresa Seripatri, e os mecânicos Erick Martinho, 36, e Leandro Souza, 34, funcionários da Helipark, empresa responsável pela manutenção do helicóptero.
O helicóptero modelo EC 155 B1 foi fabricado pela empresa Eurocopter France. Ele pertencia à Seripatri Participações, do empresário José Seriperi Júnior, controlador também da empresa Qualicorp, administradora de planos de saúde.

Leia abaixo a íntegra da nota do Cenipa:
Quanto à investigação do acidente com o helicóptero de matrícula PP-LLS, ocorrido no dia 2 de abril, em Carapicuíba-SP, conduzida pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), este Centro de Comunicação Social (CECOMSAER) informa:
1. Segundo exame dos destroços, os danos encontrados nos motores, transmissão principal e de cauda, pás do rotor principal e de cauda e demais componentes da aeronave foram consequências e não causas da queda.
2. Controles flexíveis (ball type) e alavancas (bellcranck) - dois componentes fundamentais para o piloto controlar a aeronave em voo - estavam desconectados antes da decolagem.
3. A Comissão de Investigação estuda a documentação da aeronave e dos serviços realizados pelas empresas de manutenção.
4. O voo do dia 2 de abril foi o primeiro do PP-LLS após quase dois meses de intervenções previstas de manutenção.
5. Até o momento, as evidências apontam que o comandante estava pilotando a aeronave em todas as fases do voo.
6. Os investigadores analisam ainda os componentes eletrônicos da aeronave, com apoio dos representantes acreditados designados pelo BEA (Bureau d´Enquêtes et d´Analyses), órgão francês de investigação.
7. Pelo fato de a investigação estar em andamento, ainda não é possível apontar conclusões acerca dos fatores contribuintes que desencadearam o acidente.
8. É importante ressaltar que os acidentes aeronáuticos não ocorrem por uma causa isolada, mas por uma série de fatores contribuintes encadeados.
9. Por fim, o objetivo principal da investigação é identificar os fatores contribuintes que gerarão recomendações de segurança, completando assim o ciclo da prevenção de acidentes.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber