Mais lidas
Geral

Autor do ataque à maratona de Boston é condenado à morte nos EUA

.

GIULIANA VALLONE
NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - Um júri federal em Boston (EUA) decidiu condenar à morte o jovem Dzhokhar Tsarnaev, 21, pelos atentados da maratona de Boston, em abril de 2013, que deixaram três mortos e outros 264 feridos.
No dia 8 de abril, o júri -composto por sete mulheres e cinco homens- já havia declarado Tsarnaev, de origem tchetchena, culpado das 30 acusações que recebeu após o ataque, sendo que, destas, 17 traziam a possibilidade da pena de morte. A decisão levou mais de 14 horas.
Foi a primeira vez que um júri federal sentenciou um terrorista à pena de morte desde os ataques do 11 de Setembro de 2001, em Nova York, segundo o jornal "The New York Times".
Dzhokhar e o irmão Tamerlan colocaram duas panelas de pressão cheias de explosivos e pregos perto do local de chegada da maratona, uma das mais tradicionais dos EUA, onde 35 mil pessoas corriam e dezenas de milhares assistiam.
Foi o maior atentado terrorista em solo americano desde os ataques do 11 de setembro.
As vítimas foram a universitária chinesa Lingzi Lu, 23, a gerente de restaurante Krystle Campbell, 29, e o menino Martin Richard, 8. Durante a fuga dos dois irmãos, eles ainda mataram o policial Sean Collier, 27.
Tamerlan, 26, foi morto durante a perseguição pela polícia em um subúrbio de Boston. Dzhokhar estava gravemente ferido ao ser detido.
Segundo a defesa, o irmão mais velho de Dzhokhar foi influenciado por grupos radicais islâmicos após uma visita à família na república russa do Daguestão, em 2011.
Foram encontradas nos explosivos impressões digitais de Tamerlan, mas não de Dzhokhar.
Relatórios da atividade dos dois na internet mostram que o mais jovem estava estudando na Universidade de Massachusetts-Dartmouth e navegando no Facebook na véspera do atentado, enquanto Tamerlan fez buscas sobre explosões e detonadores.
No barco onde se escondia e foi capturado, Dzhokhar escreveu uma mensagem em que dizia "invejar o irmão por ter recebido o prêmio antes de mim" e que "o governo americano está matando nossos civis inocentes, e nós, muçulmanos, somos um só corpo, feriu um, feriu todos".
Ele também afirmava que "o islã proíbe a morte de inocentes, mas nesta situação é permitido".
Para tentar evitar a pena de morte de Dzhokhar, sua advogada de defesa, Judy Clarke, argumentou que ele, então com 19 anos, agiu sob influência de seu irmão mais velho.
"Se não fosse por Tamerlan, o atentado não teria acontecido", disse Clarke.
Ela é uma das mais reconhecidas advogadas de defesa contra pena de morte, tendo evitado a pena capital em casos como o do terrorista doméstico Ted Kaczynski (conhecido como "Unabomber") -responsável por ataques a bomba entre 1978 e 1995, com três mortos- e de Susan Smith, que afogou seus dois filhos em um lago em 1994.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber