Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Geral

China expande influência com projeto de US$ 46 bilhões no Paquistão

.

MARCELO NINIO
PEQUIM, CHINA (FOLHAPRESS) - A China vai investir US$ 46 bilhões (R$ 139,8 bilhões) na construção de um "corredor econômico" no Paquistão, em mais uma ação de sua hiperativa diplomacia econômica.
O projeto consiste em uma rede de estradas, ferrovias e oleodutos de 3.000 km de extensão que abrirá para a China um novo acesso marítimo ao Oriente Médio, de onde vem metade do petróleo que o país importa.
O acordo será assinado durante a visita ao Paquistão do líder da China, Xi Jinping, iniciada nesta segunda (20). É a primeira visita de um líder chinês ao país em nove anos e marca o aumento do envolvimento de Pequim no Paquistão em meio ao declínio da influência dos EUA.
Para estreitar a relação, Xi chega com os bolsos cheios: o valor do projeto que será bancado pela China é quase três vezes o total de investimento estrangeiro direto recebido pelo Paquistão desde 2008.
O investimento é mais uma iniciativa da política chinesa conhecida como "diplomacia da infraestrutura", que une interesses geopolíticos e econômicos.
A estratégia ganhou força com o enorme sucesso do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, instituição criada pela China que tem a adesão de mais de 50 países, incluindo o Brasil.
Com reservas de US$ 4 trilhões, a China tem fôlego de sobra para investir em países carentes de infraestrutura, como o Paquistão.
Além de exportar seu excesso de capacidade em construção, o governo chinês busca facilitar o transporte da matéria-prima de que necessita para manter sua economia crescendo -neste caso, petróleo.
A preocupação com a segurança energética é outro fator-chave. O "corredor econômico" financiado por Pequim ligará a cidade de Kashgar, na província chinesa de Xinjiang, a Gwadar, na costa do Paquistão.
Ter um porto próximo do golfo Pérsico permitirá que as importações sejam transportadas por terra, oferecendo uma alternativa ao estreito de Málaca, por onde atualmente passam 80% do petróleo importado pela China.
Além disso, Pequim teme sofrer os efeitos da instabilidade no Paquistão e do Afeganistão, países que fazem fronteira com a província chinesa Xinjiang, onde se concentra uma grande comunidade muçulmana.
Assim como os EUA tentaram estabilizar o Paquistão durante a guerra no Afeganistão, a China quer conter a influência de grupos militantes paquistaneses em Xinjiang, mas promovendo o desenvolvimento econômico do país vizinho.
O ambicioso projeto no Paquistão é mais um elemento da diplomacia econômica chinesa, que vai muito além da Ásia. Um exemplo é a Ferrovia Transoceânica, que prevê a ligação entre portos do Brasil e do Peru com participação de empresas chinesas e deve sair do papel em breve.
Atualmente, a maior parte das importações chinesas da América do Sul passa pelo canal do Panamá, onde o custo do transporte triplicou nos últimos cinco anos.
Uma alternativa terrestre para escoar os bilhões de dólares em minério de ferro e soja do Brasil para a China pelo Pacífico reduziria os custos de forma significativa, espera o governo de Pequim.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber