Facebook Img Logo
Mais lidas
Geral

Chefe da agência antidrogas dos EUA é pressionada por escândalo de orgias

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A informação de que membros da agência antidrogas dos EUA (DEA, sigla em inglês) fizeram orgias com prostitutas pagas com dinheiro público na Colômbia fez com que parlamentares pedissem a saída da chefe do órgão, Michelle Leonhart.
Os detalhes foram citados em um informe do inspetor-geral do Departamento de Justiça entregue no final de março à Comissão de Supervisão e Reforma do Governo da Câmara dos Representantes, dominada pelos republicanos.
Segundo o relatório, o vice-diretor regional da DEA na Colômbia e nove agentes especiais fizeram orgias na sede do órgão em Bogotá e contrataram prostitutas usando a verba concedida pelo governo americano para manter o escritório.
As festas teriam ocorrido algumas dezenas de vezes no período entre 2001 e 2008. Dos dez agentes envolvidos nas orgias, três receberam dinheiro, presentes e armas de membros dos cartéis do tráfico de drogas.
Após investigação, sete agentes confessaram ter participado das festas e foram suspensos por períodos de dois a dez dias, mas ninguém foi exonerado. Os crimes e as penas aplicadas foram duramente criticados pelos parlamentares da comissão.
Na última segunda (14), Leonhart alegou que as regras do governo para servidores civis a impediram de expulsar os agentes, embora as violações cometidas tenham sido "estarrecedoras". A explicação não convenceu os legisladores.
"Quando temos maçãs podres que repetidamente têm o mesmo tipo de conduta, comprometendo nossa segurança nacional, eles precisam perder sua habilitação de segurança e serem demitidos", disse o republicano Jason Chaffetz, chefe da comissão.
"Honestamente, que poder você tem? Você tem que trabalhar com agentes sobre os quais você não pode disciplinar e não tem nenhum controle. O que diabos você consegue fazer", afirmou o republicano Trey Gowdy.
DESCONFIANÇA
Diante das respostas, a comissão reprovou na quarta (15) um voto de confiança à chefe da agência antidrogas e pediu sua renúncia. Michele Leonhart comanda a DEA desde 2007 e foi vice-chefe nos três anos anteriores.
Na quinta (16), o governo americano se recusou a comentar sobre a possível saída de Leonhart. Em entrevista, o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, disse que o presidente Barack Obama "se preocupa com os detalhes incômodos" do caso.
"O presidente tem um padrão de expectativa muito alto para todos os servidores de seu governo, sobre sua conduta e sobre a capacidade de manter a confiança pública", disse Earnest.
Não é a primeira vez que o governo Obama é atacado por um caso de má conduta dos servidores que envolvia prostituição. Em 2012, quatro agentes do Serviço Secreto e 12 militares fizeram uma orgia em um hotel de Cartagena, na Colômbia.
Os agentes haviam viajado para verificar a segurança do local antes da chegada do mandatário americano para participar da Cúpula das Américas. Os membros do Serviço Secreto e os militares envolvidos foram expulsos.
Em março de 2014, três agentes que protegem Obama foram obrigados a deixar Amsterdã em uma visita oficial após chegarem embriagados ao hotel. Estes e outros casos levaram à renúncia da chefe do Serviço Secreto, Julia Pierson, em outubro.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Geral

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber