Mais lidas
Geral

Ao condenar assassinato, Obama confirma morte de japonês pelo EI

.

SÃO PAULO, SP - Ao condenar o "assassinato brutal" do cidadão japonês Haruna Yukawa, 42, pela facção radical Estado Islâmico (EI), o presidente dos EUA, Barack Obama, acabou confirmando a morte --até então não dada como certa pelo governo do Japão.
Até a noite dese sábado, autoridades do país asiático diziam estar investigando a autenticidade de um vídeo atribuído ao EI, no qual um dos dois reféns japoneses em poder do grupo apareceria decapitado.
O vídeo foi postado em um site ligado à milícia islâmica e rapidamente apagado.
Em nota, Obama disse que "os EUA condenam o assassinato brutal do cidadão japonês Haruna Yukawa pelo grupo terrorista ISIL [sigla usada por Washington para o EI]", mas não deu detalhes de como confirmou a morte do refém.
Na manhã deste domingo (noite de sábado no Brasil), o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, chegou a "condenar este ato", sem confirmar que Yukawa foi assassinado. "Um ato de terrorismo como esse é ultrajante e inadmissível", disse.
Visivelmente abatido, ele exigiu que o outro refém, o jornalista Kenji Goto, 47, seja "imediatamente libertado".
Nesta sexta-feira (23), acabou o prazo de 72 horas que o grupo radical deu ao governo japonês para que pagasse US$ 200 milhões e evitasse a execução dos dois reféns.
O valor é o mesmo oferecido na semana passada pelo premiê japonês aos rebeldes sírios e ao governo do Iraque para ajudar no combate à milícia. Tóquio se recusou a pagar o resgate.
ANOMALIAS
Especialistas disseram à TV NHK que o vídeo apresenta várias "anomalias", como cenário diferente do habitual e ausência de símbolos do EI ou referências religiosas.
Em um site afiliado ao Estado Islâmico, militantes também questionaram a veracidade do vídeo. A gravação teria sido enviada à mulher do jornalista mantido refém, segundo a agência Kyodo News.
Goto é um conhecido jornalista freelancer que trabalhava na Síria, e Yukawa teria viajado ao território sírio para montar uma empresa de segurança, onde acabou se unindo a um grupo rebelde rival do Estado Islâmico.
Em seu comunicado, Obama disse que os EUA vão ficar "lado ao lado" com o Japão neste momento e também pediram a libertação imediata do jornalista que ainda está sob o poder dos radicais islâmicos.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber