Geral

Ex-porta-voz de premiê é preso por escândalo de grampos

Da Redação ·
Ex-porta-voz de premiê é preso por escândalo de grampos
fonte: Carl de Souza - AFP
Ex-porta-voz de premiê é preso por escândalo de grampos

O ex-repórter do tabloide News of the World, Clive Goodman, que cobria a assuntos relacionados à família real britânica, foi preso nesta sexta-feira (8) sob suspeita de corrupção, informou a agência PA. Ele já havia sido condenado em 2007 por escutas telefônicas ilegais, o mesmo motivo de recentes denúncias que levaram ao anúncio do fechamento do jornal nesta semana.

continua após publicidade

Segundo os jornais locais, a polícia de Londres confirmou que Goodman, de 53 anos, foi preso e investigadores estão fazendo uma varredura em sua casa, no sul da capital britânica Londres.

O escândalo estourou em 2006 e terminou com a prisão do setorista da família real e seu parceiro, o detetive Glen Mulcaire, por terem violado as caixas de mensagens de telefones celulares de personalidades da vida pública britânica, incluindo membros da realeza como o príncipe William.

continua após publicidade

As agências de notícias informam que ele foi preso novamente nesta sexta-feira (8) sob alegação de subornar a polícia.

Mas Goodman não foi o único detido desta sexta por envolvimento no escândalo dos grampos. O primeiro foi Andy Coulson, ex-diretor de comunicação de David Cameron e antigo editor do News of the World, quando estourou o escândalo das escutas. Ele é acusado de corrupção e intercepção de telefones.

Coulson, de 43 anos, renunciou de seu cargo como assessor do primeiro-ministro, David Cameron, em janeiro passado ao se ver implicado pelo escândalo, apesar de ter reiterado que não sabia da prática de grampear celulares quando era editor da publicação.

continua após publicidade

O presidente do grupo News International, James Murdoch - filho do magnata Rupert Murdoch -, anunciou nesta quinta-feira (7) que o jornal, a edição dominical do The Sun e o de maior tiragem do país, publicará neste domingo (10) sua última edição, para enterrar o assunto das escutas.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, prometeu hoje criar novas regras para a imprensa britânica e um inquérito minucioso sobre as falhas da polícia e dos políticos, depois de o seu próprio ex-porta-voz foi preso por envolvimento no escândalo.

Cameron convocou uma entrevista coletiva de emergência na qual rejeitou as insinuações de que teria lhe faltado bom senso ao contratar como porta-voz Andy Coulson, ex-editor do jornal News of the World - que o primeiro-ministro confirmou estar sob investigação policial.

continua após publicidade

O líder conservador disse que, além de acompanhar a investigação policial sobre os grampos, vai criar também uma comissão independente para preparar novas regras para a imprensa.

- Este escândalo não tem a ver só com alguns jornalistas em um jornal. Não tem a ver tampouco só com a imprensa. Tem a ver também com a polícia. E, sim, tem a ver também com os políticos e com a forma como a política funciona.

continua após publicidade

Denúncias sobre grampo de conversas telefônicas feitas pelo tabloide dominical surgiram em 2005, com uma reportagem sobre ferimento no joelho do príncipe William. A realeza reclamou, na ocasião, que mensagens de voz estavam sendo interceptadas, levando ao primeiro inquérito instaurado sobre as atividades da publicação.

O histórico de escândalos continua com a espionagem da vida de políticos e celebridades, entre eles dos atores Jude Law e Gwyneth Paltrow.

Nessa semana, as polêmicas ganharam novo fôlego com a denúncia de que um detetive que trabalhava para o jornal teria grampeado o telefone celular de Milly Dowler, menina que desapareceu em 2002 e depois foi encontrada morta.

Depois, veio a público a notícia de que o jornal também grampeou celulares de parentes das vítimas dos atentados de 2005 e até de soldados britânicos mortos no Iraque e no Afeganistão.

Também surgiram acusações de que o do News of the World fez pagamentos à polícia britânica em troca de informações. Segundo a BBC, os proprietários do tabloide entregaram à polícia e-mails que indicariam que o pagamento teria sido autorizado pelo então editor do jornal, Andy Coulson.