Geral

União Africana pede que países não cumpram mandado de prisão contra Khadafi

Da Redação ·
 União Africana pede que países não cumpram mandado de prisão contra Khadafi
fonte: Arquivo
União Africana pede que países não cumpram mandado de prisão contra Khadafi

A União Africana pediu que seus membros não executem o mandado de prisão contra o líder líbio Muamar Khadafi, emitido pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) na última segunda-feira.

continua após publicidade


No encerramento da cúpula da União Africana, neste final de semana, líderes dos países africanos disseram que o mandado de prisão traz sérias complicações aos esforços da instituição de encontrar uma solução pacífica para o conflito na Líbia.

Segundo o correspondente da BBC em Malabo, na Guiné Equatorial, Thomas Fessy, o chefe da comissão africana, Jean Ping, afirmou que os países não estão contra o tribunal.

continua após publicidade


No entanto, Ping disse que o tribunal parecia estar visando somente oficiais do continente africano e afirmou que o promotor-chefe do TPI, Luis Moreno-Ocampo, é "uma piada".


Não é a primeira vez que os países da União Africana vão contra uma decisão do TPI.


Os países do continente também optaram por permitir que o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, viaje pelo continente impunemente, apesar de um mandado de prisão contra ele, também emitido pelo Tribunal.

continua após publicidade


Diálogo


Horas antes, os rebeldes líbios aceitaram uma oferta de diálogo sobre o futuro do país, sem o envolvimento de Khadafi, feita pelos países da União Africana.


Representantes dos rebeldes, que foram convidados para a cúpula, disseram que é a primeira vez que a instituição reconheceu a demanda do povo líbio por democracia e direitos humanos.

continua após publicidade


O representante do Conselho Nacional de Transição na França, Mansur Saif al-Nasr, disse à BBC que este a proposta de diálogo é um passo à frente.


"O espírito do documento é que Khadafi não terá mais um papel a cumprir no teatro da Líbia", afirmou.
A União Africana também pediu um cessar-fogo imediato e a suspensão da zona de exclusão aérea aprovada pela ONU, que abriu o caminho para a intervenção militar da Otan no país.


No comunicado, os países dizem que os dois lados do conflito devem fazer um pedido forma à ONU para uma missão de paz na Líbia para monitorar a implementação da suspensão de hostilidades.


Mas os representantes dos rebeldes dizem que pediriam uma série de garantias da União Africana antes de concordar com um cessar-fogo.