Geral

Quadrilha amarra explosivo em mulher para tentar roubar banco

Da Redação ·
 A quadrilha obrigou a tesoureira da agência bancária em SP a vestir essa camiseta com explosivo e um detonador, presos ao seu corpo com fitas adesivas
fonte: Carlos Giffoni/G1
A quadrilha obrigou a tesoureira da agência bancária em SP a vestir essa camiseta com explosivo e um detonador, presos ao seu corpo com fitas adesivas

A ação da quadrilha começou com dois homens disfarçados de entregadores de correspondência. Com uniformes dos Correios, eles foram à casa da tesoureira e dominaram seus pais na noite desta quinta-feira (30).

continua após publicidade


O casal foi levado a um cativeiro em Carapicuíba e amarrado a explosivos. Uma foto do homem de 67 anos e da mulher, 65, serviu para chantagear a tesoureira, que foi orientada a ir à agência bancária onde trabalha, em Barueri, também na região metropolitana, e entregar ao grupo um malote com cerca de R$ 300 mil reais que a funcionária iria receber na manhã desta sexta.


A quadrilha amarrou um cinturão com explosivo monitorado à distância na mulher que tinha um celular como detonador. Segundo a Polícia Federal (PF), um detalhe técnico - provavelmente desconhecido pelos próprios criminosos - impediria que a detonação funcionasse.

continua após publicidade


Ao entrar na agência, a tesoureira avisou um segurança. Além da PF, a Divisão Antissequestro (DAS), o Grupo Especial de Resgate (GER) e o Esquadrão Antibombas foram acionados. Durante a tarde, a tesoureira ganhava tempo com os criminosos, por telefone, dizendo que o carro-forte estava atrasado. Enquanto isso, os policiais, que já haviam libertado a vítima da camiseta com explosivo, buscavam os criminosos.


A investigação conjunta levou à prisão de dois homens. Os detidos, que tinham 28 e 29 anos, foram localizados em Carapicuíba. Eles apontaram o local do cativeiro dos pais da tesoureira e ordenaram a sua liberação. O casal foi libertado sem ferimentos e os criminosos que cuidavam do cativeiro fugiram.


Dois homens estão presos na sede da PF na capital paulista, mas quatro integrantes da quadrilha permaneciam foragidos, dos quais dois já foram identificados com base nos arquivos da PF.