Geral

Raio mata 18 crianças e uma professora em Uganda

Da Redação ·
 Um raio provocou a morte de 18 crianças e uma professora ao atingir uma escola em Uganda. A descarga elétrica acertou as vítimas dentro de uma sala de aula na cidade de Kiryandongo, a 210 quilômetros ao norte da capital, Kampala. Mais 38 crianças ficaram feridas e foram levadas a hospitais.  Uganda tem um dos maiores índices de mortes por raios no mundo, e sua capital tem mais raios por ano que qualquer outra cidade no planeta, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial.  O país no leste da África tem sofrido com uma onda ainda maior de descargas elétricas durante fortes chuvas que acontecem fora da estação em que as descargas são mais frequentes.  Meteorologistas locais criticam o governo por não instalar para-raios suficientes em meio à crise. O tema foi debatido no Parlamento, onde políticos exigiram que o governo elabore uma estratégia para lidar com a questão.  - Eu não sei qual ministério é responsável pelos raios, mas vamos esperar uma decisão do governo para informar ao país o que está acontecendo e então podemos cuidar disso - disse a presidente do Parlamento, Rebecca Kadaga.  De acordo com a polícia, as 19 vítimas morreram em consequência de um único raio. As crianças estavam prontas para sair da escola, mas uma tempestade teria feito o grupo permanecer na sala de aula.  Entre os feridos, 15 ainda continuaram hospitalizados para tratarem de queimaduras. Segundo a mídia local, o número de mortes pode aumentar.  De acordo com o jornal estatal "New Vision", pelo menos 40 pessoas morreram por causa de raios nas últimas semanas. Grande parte das vítimas é criança. Entre elas estão três irmãos de 4, 6 e 8 anos que morreram na semana passada ao serem atingidos depois de se abrigarem sob uma árvore
fonte: Divulgação
Um raio provocou a morte de 18 crianças e uma professora ao atingir uma escola em Uganda. A descarga elétrica acertou as vítimas dentro de uma sala de aula na cidade de Kiryandongo, a 210 quilômetros ao norte da capital, Kampala. Mais 38 crianças ficaram feridas e foram levadas a hospitais. Uganda tem um dos maiores índices de mortes por raios no mundo, e sua capital tem mais raios por ano que qualquer outra cidade no planeta, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial. O país no leste da África tem sofrido com uma onda ainda maior de descargas elétricas durante fortes chuvas que acontecem fora da estação em que as descargas são mais frequentes. Meteorologistas locais criticam o governo por não instalar para-raios suficientes em meio à crise. O tema foi debatido no Parlamento, onde políticos exigiram que o governo elabore uma estratégia para lidar com a questão. - Eu não sei qual ministério é responsável pelos raios, mas vamos esperar uma decisão do governo para informar ao país o que está acontecendo e então podemos cuidar disso - disse a presidente do Parlamento, Rebecca Kadaga. De acordo com a polícia, as 19 vítimas morreram em consequência de um único raio. As crianças estavam prontas para sair da escola, mas uma tempestade teria feito o grupo permanecer na sala de aula. Entre os feridos, 15 ainda continuaram hospitalizados para tratarem de queimaduras. Segundo a mídia local, o número de mortes pode aumentar. De acordo com o jornal estatal "New Vision", pelo menos 40 pessoas morreram por causa de raios nas últimas semanas. Grande parte das vítimas é criança. Entre elas estão três irmãos de 4, 6 e 8 anos que morreram na semana passada ao serem atingidos depois de se abrigarem sob uma árvore

Um raio provocou a morte de 18 crianças e uma professora ao atingir uma escola em Uganda. A descarga elétrica acertou as vítimas dentro de uma sala de aula na cidade de Kiryandongo, a 210 quilômetros ao norte da capital, Kampala. Mais 38 crianças ficaram feridas e foram levadas a hospitais.

continua após publicidade

Uganda tem um dos maiores índices de mortes por raios no mundo, e sua capital tem mais raios por ano que qualquer outra cidade no planeta, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial.

O país no leste da África tem sofrido com uma onda ainda maior de descargas elétricas durante fortes chuvas que acontecem fora da estação em que as descargas são mais frequentes.

continua após publicidade

Meteorologistas locais criticam o governo por não instalar para-raios suficientes em meio à crise. O tema foi debatido no Parlamento, onde políticos exigiram que o governo elabore uma estratégia para lidar com a questão.

- Eu não sei qual ministério é responsável pelos raios, mas vamos esperar uma decisão do governo para informar ao país o que está acontecendo e então podemos cuidar disso - disse a presidente do Parlamento, Rebecca Kadaga.

De acordo com a polícia, as 19 vítimas morreram em consequência de um único raio. As crianças estavam prontas para sair da escola, mas uma tempestade teria feito o grupo permanecer na sala de aula.

continua após publicidade

Entre os feridos, 15 ainda continuaram hospitalizados para tratarem de queimaduras. Segundo a mídia local, o número de mortes pode aumentar.

De acordo com o jornal estatal "New Vision", pelo menos 40 pessoas morreram por causa de raios nas últimas semanas. Grande parte das vítimas é criança. Entre elas estão três irmãos de 4, 6 e 8 anos que morreram na semana passada ao serem atingidos depois de se abrigarem sob uma árvore.