Geral

Cinzas vulcânicas obrigam Obama a antecipar viagem

Da Redação ·
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, vai deixar a Irlanda em direção à Grã-Bretanha na noite de hoje, um dia antes do planejado, devido aos temores relacionados às cinzas vulcânicas liberadas pelo vulcão islandês, disse um funcionário da Casa Branca. "Por causa da mudança recente da trajetória da nuvem de cinza vulcânica, o Air Force One vai partir da Irlanda para Londres esta noite. A programação de amanhã vai continuar como planejada", afirmou. Obama chegou hoje à Irlanda para uma visita não oficial, no início de um giro do líder por alguns países europeus. Ele fez uma visita de helicóptero a Moneygall, pequena cidade no condado de Offaly, onde seu distante ancestral pelo lado materno Falmouth Kearney partiu para os EUA, em 1850. Em uma atmosfera calorosa, o presidente e a primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, apertaram as mãos e abraçaram grande parte dos habitantes da cidade de 300 pessoas. Obama visitou a casa modesta da vila onde seu ancestral viveu e foi recebido por moradores locais e autoridades no pub da cidade, onde bebeu cerveja preta. Obama é o primeiro presidente dos EUA a ter ascendência irlandesa desde o presidente John Kennedy, que fez uma visita ao país no início dos anos 1960. No final da tarde, o presidente dos Estados Unidos deve fazer um discurso no centro de Dublin para milhares de pessoas, que já formam filas apesar da forte chuva para ver o líder norte-americano. Embora o principal motivo da visita tenha sido informal, Obama conversou de manhã com o primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny, sobre a iniciativa do governo local para garantir um melhor acordo de ajuda da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI). Sofrendo com uma profunda crise bancária, a Irlanda se viu forçada a aceitar um pacote de ajuda de € 67,5 bilhões da UE e do FMI em novembro passado. Analistas dizem que a visita de Obama à Irlanda foi deliberadamente informal, mas que os políticos irlandeses usaram o evento para fortalecer seus laços internacionais, uma vez que a Irlanda luta contra uma dura crise da dívida que envolveu não só o país, mas também a Grécia, Portugal e outras nações da zona do euro. "O governo irlandês está pressionando os EUA para que não só apenas os europeus tenham uma visão sobre a crise da dívida europeia", afirmou Philip Lane, professor de macroeconomia internacional da Faculdade de Trinity, em Dublin. "É interesse da Irlanda ter um engajamento bilateral direto com o presidente dos EUA nesse assunto". O FMI disse na sexta-feira que a UE precisa de um novo "plano abrangente" para resolver a crise da dívida. Na viagem, Obama passará ainda por Reino Unido, França e Polônia. As informações são da Dow Jones.
continua após publicidade