Geral

Churrasco em Higienópolis é cancelado após atrair 49 mil

Da Redação ·
Depois de ter presença confirmada por quase 49 mil pessoas no Facebook, o "churrasco da gente diferenciada", marcado para sábado, 12, em frente ao Shopping Pátio Higienópolis para protestar contra o cancelamento da Estação Angélica do Metrô, foi cancelado na tarde de hoje. Na página do evento no site, o organizador Danilo Saraiva afirma que com o "grande número de adeptos", a decisão foi tomada diante da "preocupação" mostrada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e Polícia Militar, "uma vez que a Avenida Higienópolis é muito estreita". "Mesmo que nos seja assegurado o livre direito de nos manifestar, não podemos obstruir vias públicas, tampouco nos responsabilizar por atitudes de manifestantes mal-intencionados", diz a página. "Seria quase certo o uso de violência física contra os manifestantes, e arcando com essa possibilidade, não podemos deixar que ninguém saia ferido por conta de uma brincadeira.", acrescenta. No lugar do churrasco, o organizador informa que será realizado um outro ato, "com intuito de realmente ajudar a população carente que não tem condições nem voz para arcar com as atitudes mesquinhas desses moradores do bairro de Higienópolis que assinaram a petição contra a estação de metrô". O organizador do evento na rede social ainda informa que os detalhes sobre a nova manifestação serão divulgados no sábado, a partir das 14 horas, na Praça Villaboim - o mesmo lugar onde aconteceria a concentração para o churrasco. Procurada pela reportagem na manhã de hoje, a direção do shopping não quis comentar o assunto. A Subprefeitura da Sé, responsável pela área de Higienópolis, afirmou não ter recebido nenhuma informação sobre o churrasco, mas destacou que a população tem direito à livre manifestação do pensamento. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) disse que não tinha um planejamento especial para o trânsito na região se o ato se concretizasse, porém ressaltou que possuía "contingente" e estava "preparada para um possível protesto".
continua após publicidade