Geral

Rússia considera ser provável invasão terrestre na Líbia

Da Redação ·
A Rússia acredita que uma invasão terrestre na Líbia é muito provável e se sente justificada em ter se abstido na votação da resolução 1973 no Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU), na semana passada, que sancionou os bombardeios contra as forças do governante líbio Muamar Kadafi. "Não existe um plano coordenado em ação, e a operação pode se arrastar", disse o conselheiro de política externa do Kremlin, Sergei Prikhodko, à agência de notícias Itar-Tass. "Nós compreendemos que cedo ou tarde, se a operação aérea atolar, uma operação terrestre será inevitável, digam o que eles disserem", afirmou. A Rússia se absteve na votação no CS na quinta-feira passada e expressou preocupação com o uso "indiscriminado" da força na atual campanha de bombardeios contra a Líbia. A operação desfechada pelos Estados Unidos, França, Grã-Bretanha e vários outros países europeus, além do Catar, teve a oposição particular do primeiro-ministro Vladimir Putin, que a comparou nesta semana a um chamado medieval para as cruzadas. "Como pode o objetivo de proteger os civis envolver meios que levaram a um aumento de baixas entre os civis? Isso só pode provocar preocupações", disse Putin, na terça-feira, enquanto visitava Belgrado. Os comentários de Putin foram rechaçados pelo presidente Dmitry Medvedev, que chegou a se oferecer para mediar o conflito líbio. Porém Medvedev citou os números de baixas fornecidos pelo governo líbio durante uma reunião com o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, o qual rebateu questionando como Moscou poderia aceitar as "mentiras" do coronel Kadafi sobre as baixas. A Rússia lutou para chegar com uma abordagem coerente e unificada sobre a Líbia, com o próprio conselheiro de política externa de Medvedev admitindo que "não acreditamos que Kadafi está pronto para negociações". Medvedev também retirou o embaixador russo na Líbia algumas horas antes da votação no CS da ONU. Ao mesmo tempo, Prikhodko defendeu a decisão russa de se abster, notando que "nós sabíamos em que coisa iríamos nos envolver". As informações são da Dow Jones.
continua após publicidade