Geral

BR-376 é liberada parcialmente na divisa entre SC e PR

Da Redação ·
A rodovia BR-376, altura da divisa entre Santa Catarina e Paraná, foi liberada parcialmente hoje com a utilização de apenas uma faixa com fluxo alternado de veículos em duas em duas horas. Desde a última segunda-feira, quando foi bloqueada totalmente por causa da queda de barreira que destruiu parte da pista, foram registradas filas de até 25 quilômetros de veículos parados, sendo maioria caminhões. O sistema "Para/Siga" implantado pela Polícia Militar Rodoviária Federal (PMRF) com apoio da concessionária Autopista Litoral Sul desafogou parte do tráfego entre os km 651 e 672, porém condiciona os motoristas a aguardar de 6 a 10 horas na fila nos dois sentidos. No sentido PR-SC, a fila, segundo a PMRF-PR, chega a 15 quilômetros. Até o final da tarde de hoje não havia previsão de liberação da segunda pista. A forte chuva que caiu em parte da região Sul do Brasil nos últimos quatro dias também causou inúmeros prejuízos em cidades catarinenses e afetou cerca de 700 mil pessoas, conforme último relatório do Departamento Estadual de Defesa Civil. Das 27 cidades atingidas pela enxurrada, 13 decretaram situação de emergência. É o caso de Brusque, em que praticamente toda a população (97 mil) foi afetada. Ainda estão em situação de emergência: Schroeder, Camboriú, Guabiruba, Ilhota, Nova Trento, Pomerode, Rio dos Cedros, Rio Negrinho, Santo Amaro da Imperatriz, São João Batista e São Pedro de Alcântara. Joinville, com 7200, e Blumenau, com 1720 desalojados (pessoas com residências atingidas que estão abrigadas em casa de parentes e amigos), além de Gaspar, com danos materiais em mais de 600 residências, estão entre as cidades catarinenses mais atingidas pela chuva. Ponte Homens do Exército instalaram uma ponte de metal na rodovia PR-408, sobre o Rio Sagrado Três, no acesso de Morretes para a BR-277. Segundo a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), a instalação da ponte começou ontem e foi finalizada na tarde de hoje. De acordo com a PRE, a ponte deverá ser usada por um mês, até que a antiga ponte, que não resistiu as fortes chuvas, seja reconstruída. Morretes decretou estado de calamidade pública por causa dos alagamentos e enxurradas. Somente no município, 8 mil pessoas estão desalojadas e 680 estão desabrigadas. Uma pessoa morreu. Ao todo, mais de 15 mil pessoas foram afetadas, cerca de 2.400 casas foram danificadas e 85 destruídas.
continua após publicidade