Geral

Japonês é preso ao tentar aplicar golpe do seguro no Rio

Da Redação ·
O turista japonês Takuya Nemoto, de 26 anos, foi preso ao tentar aplicar o golpe do seguro da bagagem na Polícia do Rio de Janeiro. Ontem à noite, o jovem procurou a Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat), no Leblon, na zona sul da cidade, para registrar o furto da sua bagagem. No entanto, os agentes desconfiaram da versão do rapaz e foram até o hotel no centro onde ele estava hospedado. No quarto, os policiais encontraram todo o material que o japonês afirmava ter sido furtado. Constrangido, ele pediu desculpas a jornalistas ao ser apresentado hoje à imprensa com a tradicional reverência nipônica. Os agentes desconfiaram da história do turista, que alegava ter sido roubado a caminho do Sambódromo quando levava um laptop e um celular avaliados em US$ 3,5 mil para o desfile das escolas de samba. Mochileiro, o jovem estava em uma viagem ao redor do mundo desde o dia 7 de março. No plano original de viagem, o japonês seguiria hoje para a Espanha. Após a apresentação na Deat, ele foi encaminhado para uma cela na Polinter (Divisão de Capturas da polícia do Rio) do Grajaú, na zona norte da cidade. Representantes do consulado japonês acompanham o caso. Não é a primeira vez que jovens estrangeiros tentam aplicar o golpe na polícia carioca e são descobertos. Em julho de 2009, as inglesas Rebecca Turner e Shanti Andrews, ambas de 23 anos, foram presas sob a mesma acusação. Menos de um mês depois da prisão, elas foram condenadas a um ano e quatro meses de reclusão e mais um mês de detenção pelos crimes de falsidade ideológica, falsa comunicação de crime e tentativa de estelionato. O juiz reverteu a pena em sete horas diárias durante oito meses de serviços comunitários. No entanto, em dezembro, no julgamento em segunda instância, elas foram absolvidas e liberadas para voltar à Europa pela V Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, que acompanhou o voto de desembargador Geraldo Porto. Ele considerou ilegal a apreensão das malas das inglesas sem mandado judicial.
continua após publicidade