Geral

Manifestantes pedem reformas políticas na Jordânia

Da Redação ·
Centenas de jordanianos, inspirados pelo levante popular no Egito, realizaram protestos hoje contra o novo primeiro-ministro do país, Marouf al-Bakhit, que o rei Abdullah II nomeou para o cargo na terça-feira, para tentar acalmar a oposição. Embora menores que nos dias anteriores, os protestos de hoje em Amã e outras cidades incluíram tanto islamitas quanto opositores de partidos laicos. Hoje também ocorreram manifestações em outros países de maioria islâmica, como Turquia, Malásia e Iraque, com populares pedindo a renúncia imediata do presidente do Egito, Hosni Mubarak, e também melhores condições de vida nos próprios países. Na Jordânia, os protestos tiveram um caráter mais local e os manifestantes pediram empregos, o fim da corrupção e alimentos com preços menores. "Nós queremos empregos e o fim da corrupção, que deixa os funcionários públicos ricos às nossas custas", disse Mahmoud Abu-Seif, um desempregado de 29 anos, que se juntou a uma manifestação de 150 pessoas na cidade de Karak. O líder da Frente Islâmica de Ação, que é o braço jordaniano da Irmandade Muçulmana do Egito, Nimer al-Assaf, disse que o grupo dará um tempo para o novo primeiro-ministro mostrar serviço e realizar mudanças políticas e econômicas. "Agora nós estamos muito otimistas de que as mudanças acontecerão", disse. Mundo islâmico Na Turquia ocorreram manifestações de simpatizantes islamitas em solidariedade aos egípcios. "Não à ditadura", diziam cartazes que ativistas turcos exibiam perto da mesquita de Beyazit, em Istambul. Na capital turca, Ancara, dezenas de manifestantes marcharam até a embaixada do Egito, onde o ditador Hosni Mubarak foi chamado de "filhote de Israel". Na Malásia, país onde metade da população é muçulmana, ocorreu um protesto em Kuala Lumpur, com centenas de pessoas marchando até a embaixada dos Estados Unidos e pedindo que o país force Mubarak a renunciar imediatamente. Em Bagdá, cerca de 100 iraquianos se reuniram na entrada do mercado de livros Mutanabi, onde pediram maiores liberdades civis. As informações são da Associated Press.
continua após publicidade