Geral

Governo dará remédio grátis para hipertensão e diabetes

Da Redação ·
A presidente da República, Dilma Rousseff, e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciaram hoje a distribuição gratuita de medicamentos para o tratamento de hipertensão e diabetes nas farmácias e drogarias conveniadas à rede Aqui Tem Farmácia Popular. A oferta dos remédios começa hoje. Até o dia 14 deste mês, todos os 15.069 estabelecimentos credenciados já terão aderido plenamente ao programa, de acordo com o Ministério da Saúde. A oferta de remédios gratuitos foi normatizada por portaria do Ministério da Saúde e viabilizada por acordo com sete entidades da indústria e do comércio farmacêutico, de acordo com a assessoria de comunicação da Pasta. "Pelo acordo, o ministério se compromete a ampliar a oferta de medicamentos pelo programa e o setor produtivo, a reduzir sua margem de lucro sobre cada medicamento, para que o usuário o leve para a casa sem nenhum custo", explicou o ministro Alexandre Padilha.

Hoje, Padilha anunciou o fortalecimento dos mecanismos de controle e transparência da rede Aqui Tem Farmácia Popular, que inclui a utilização de um cupom vinculado, que conterá informações detalhadas sobre o comprador, o estabelecimento e o médico que prescreveu aquele medicamento; e a criação de um cadastro de vendedores, com controle do acesso de todos os atendentes das empresas credenciadas.

Segundo o Ministério da Saúde, o programa beneficia cerca de 1,3 milhão de pessoas por mês. Destes, aproximadamente 660 mil são hipertensos e 300 mil, diabéticos. O programa é desenvolvido pelo governo federal em parceria com a rede privada de farmácias e drogarias, que se credenciam espontaneamente. Com exceção dos medicamentos para diabetes e hipertensão, o governo financia 90% do valor de referência dos remédios no Aqui Tem Farmácia Popular, cujo orçamento para este ano é de R$ 470 milhões. A população tem acesso a 24 tipos de medicamentos para hipertensão, diabetes e mais cinco doenças (asma, rinite, mal de Parkinson, osteoporose e glaucoma), além de fraldas geriátricas. É necessário que o usuário apresente CPF, documento com foto e receita médica. O Farmácia Popular foi criado em 2004, com unidades próprias ou institucionais conhecidas como Farmácia Popular do Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde.

continua após publicidade