Geral

Confrontos no Cairo deixam 1 morto e quase 600 feridos

Da Redação ·
A oposição egípcia voltou às ruas hoje protestando e exigindo a renúncia do presidente Hosni Mubarak, que governa o país há 30 anos, e ocorreram vários confrontos na praça Tahrir (Libertação) e nas imediações, quando cerca de 3 mil supostos simpatizantes de Mubarak atacaram dezenas de milhares de manifestantes. Alguns dos partidários de Mubarak avançaram com camelos e cavalos contra a multidão, mas foram derrubados e espancados. No total, 1 pessoa foi morta e ao menos 596 ficaram feridas no centro. O vice-presidente Omar Suleiman fez um apelo aos "jovens" na televisão estatal, para que obedeçam o pedido do exército e voltem pacificamente para casa. O levante contra Mubarak, que começou na semana passada, já deixou mais de 300 mortos no Egito inteiro, segundo estimativas não oficiais. Já o líder da oposição, Mohamed ElBaradei, pediu que o exército intervenha "imediatamente e decisivamente para parar esse massacre", referindo-se aos eventos de hoje na praça Tahrir. Apesar da violência e das primeiras manifestações a favor de Mubarak, milhares de oposicionistas permanecem na praça Tahrir, reforçados por populares que vieram do bairro operário de Shubra, na periferia do Cairo. A violência começou logo após 10 mil manifestantes da oposição terem se reunido na praça na manhã de hoje, rejeitando o discurso que Mubarak fez na televisão estatal na noite de ontem, no qual prometeu não se candidatar à reeleição em setembro. Os manifestantes voltaram a pedir que Mubarak deixe imediatamente o poder. O protesto ocorria de maneira pacífica até que partidários de Mubarak começaram a entrar na praça por uma extremidade e os manifestantes da oposição formaram uma corrente humana para impedi-los de entrar. No começo da tarde, cerca de 3 mil partidários de Mubarak romperam o isolamento e atacaram os manifestantes com pedaços de pau, informou um repórter da Associated Press que estava no local. A partir desse momento, começou uma luta que degenerou em batalhas de rua na praça Tahrir e nas avenidas vizinhas, nas seis entradas da praça. Partidários de Mubarak subiram no teto de um edifício e começaram a jogar pedaços de concreto e detritos contra os manifestantes da oposição que estavam nas ruas. Os camelos e cavalos usados pelos partidários de Mubarak para atacar a oposição parecem com animais que os guias usam para levar os turistas a passeios perto das pirâmides e em outros pontos turísticos da capital egípcia. A oposição não desanimou e não abandonou o local. Mulheres e homens tratavam os feridos e barbudos que pareciam ser da Irmandade Muçulmana tomaram a linha de frente no confronto com os cameleiros. Ao cair da noite, centenas de moradores do bairro de Shubra chegaram à praça para reforçar a oposição. O exército assistiu a tudo impassível. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.
continua após publicidade