Geral

ONG critica 'covardia' ocidental sobre direitos humanos

Da Redação ·
A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) acusou hoje os governos do Ocidente de terem uma postura de "covardia quase universal" ao lidar com a China. A ONG sediada em Nova York diz que os países preferem diálogos obscuros, não tomando uma posição clara contra a repressão na nação asiática. Em seu World Report 2011, o grupo dos EUA afirma que Washington, os membros da União Europeia (UE), a Austrália e outras nações dedicam fóruns para discutir temas de direitos humanos, contanto que essas reuniões não tenham frutos. "Ainda que mais de uma dúzia de países continue a realizar diálogos de direitos humanos com o governo chinês, poucas dessas discussões obscuras produziram resultados significativos em 2010", afirma a HRW. A ONG lembrou que a maioria dos governos apoiou o dissidente Liu Xiaobo, vencedor do Nobel da Paz de 2010, mas muitos não aproveitaram outras oportunidades para levantar questões relativas aos direitos humanos. O relatório afirmou que há uma "covardia quase universal em confrontar a crescente repressão na China às liberdades básicas", como um dos muitos exemplos de como os governos "efetivamente fecham seus olhos para a repressão". Durante uma visita de Estado a Washington na semana passada, o presidente chinês, Hu Jintao, disse que "muito precisa ser feito na China em termos de direitos humanos". Em várias ocasiões, porém, Hu apontou que Pequim não compartilha das mesmas concepções de direitos humanos do Ocidente, dizendo que características "nacionais" e diferentes circunstâncias devem ser reconhecidas. A Human Rights Watch citou várias preocupações em torno da China, como a prisão de jornalistas e blogueiros e a repressão a membros da etnia uigur na província de Xinjiang, que registrou episódios de violência em 2009. As informações são da Dow Jones.
continua após publicidade