Geral

Nove imigrantes salvadorenhos são raptados no México

Da Redação ·
Homens armados sequestraram nove imigrantes salvadorenhos no sul do México na semana passada, anunciou ontem o Ministério de Relações Exteriores de El Salvador. Cinco dos imigrantes escaparam e relataram os sequestros, um foi morto enquanto tentava fugir e três continuam desaparecidos, segundo a chancelaria salvadorenha. O grupo estava em um trem perto de Ixtepec, cidade do Estado de Oaxaca. De acordo com o comunicado do ministério, as autoridades investigam o caso e têm cinco testemunhas sob proteção. A polícia mexicana descobriu o corpo de um imigrante assassinado, identificado como o salvadorenho Tomas Ferman Pineda, de 41 anos, e está cuidando dos trâmites para a repatriação. Autoridades mexicanas anunciaram na semana passada que investigam o possível sequestro de 50 imigrantes ilegais que teria ocorrido no dia 16 de dezembro em Oaxaca. Ainda não se sabe qual é a nacionalidade dos demais imigrantes. Inicialmente, o governo disse que não tinha evidências do crime. O Ministério de Relações Exteriores de El Salvador foi o primeiro a relatar o sequestro. As testemunhas dizem que esses imigrantes - 30 homens, 15 mulheres e cinco crianças - foram capturados por homens armados enquanto tentavam cruzar o país de trem. Imigrantes hondurenhos, guatemaltecos e salvadorenhos têm sido interrogados sobre o caso por funcionários mexicanos no Escritório da Promotoria Geral. Mas as autoridades de Oaxaca disseram ontem que os investigadores não têm pistas dos possíveis sequestrados, apesar de terem realizado buscas ao longo da rota do trem. "Não temos nada, não há evidência de um sequestro e as operações estaduais e federais não mostraram resultados." O México é a rota de trânsito para milhares de imigrantes ilegais que tentam chegar aos Estados Unidos. Muitos caem nas mãos de grupos criminosos. Um relatório de 2009 da Comissão Nacional de Direitos Humanos informou que quase 10 mil imigrantes são sequestrados por ano por esses grupos. Em agosto, 72 imigrantes assassinados foram encontrados no Estado de Tamaulipas, em um massacre que teria sido cometido pelo cartel dos Zetas, que controla as rotas de transporte de drogas e contrabando na região. As informações são da Associated Press.
continua após publicidade