Geral

Cupim e infiltração ameaçam sede da Justiça de SP

Da Redação ·
As vigas metálicas espalhadas pelos austeros corredores do 6.º andar denunciam que há algo de errado no Palácio da Justiça, a sede do Judiciário paulista, no centro da capital. Elas tiveram de ser instaladas às pressas, depois que um laudo encomendado pelo Tribunal de Justiça (TJ) constatou infestações de cupim, infiltrações e sobrecarga de equipamentos sobre o forro de estuque, que ameaçava desabar. A situação mais crítica era a da biblioteca, no 4.º andar. Ali, os arquitetos encontraram danos severos na estrutura de madeira que sustenta o forro de 219 metros quadrados. Além da instalação de andaimes e mantas de proteção, recomendou-se a imediata interdição do salão de leitura, reservado aos visitantes. O acervo foi transferido para outro prédio. Os funcionários só tiveram autorização para continuar trabalhando debaixo do forro depois que ele recebeu as novas vigas de sustentação. As fotos e plantas que acompanham o diagnóstico das condições estruturais do Palácio da Justiça revelam um amplo leque de deficiências - "sinais de umidade no teto, acúmulo de água em calhas, trincas, fissuras, pontos de infiltração, perda de camadas de revestimento e áreas com o forro abaulado". Obras Diante desse quadro preocupante, a Corte decidiu acelerar o plano de reforma das áreas internas de sua sede. O contrato para a elaboração do projeto foi assinado no dia 10. Por R$ 1,2 milhão, o consórcio formado pelos escritórios de arquitetura Argeplan, Kruchin e Kiefer vai traçar o plano de recuperação do palácio, erguido de frente para a Praça Clóvis Bevilacqua. A ideia é que tudo seja renovado - rede elétrica, hidráulica, de internet e de telefonia, além dos sistemas de proteção e combate a incêndio, segurança, sonorização e até comunicação visual. O projeto de restauro do telhado, mais urgente, deverá ser entregue em 90 dias para que o TJ possa agilizar os pedidos de autorização junto aos órgãos estadual e municipal de defesa do patrimônio histórico (Condephaat e Conpresp) e providencie a contratação da obra. O prazo para conclusão do resto do projeto é de um ano. O tribunal planeja gastar R$ 50 milhões com as obras de reforma do palácio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
continua após publicidade