Geral

Ban Ki-moon: ONU cumprirá missão na Costa do Marfim

Da Redação ·

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, afirmou que a missão da entidade na Costa do Marfim vai cumprir seu mandato e alertou para ataques após o atual presidente marfinense, Laurent Gbagbo, ter ordenado que os soldados da ONU deixem o país. Em um comunicado divulgado na noite de ontem pelo seu porta-voz, Ban Ki-moon disse estar ciente das exigências feitas mais cedo por Gbagbo, que pediu a retirada de todas as tropas que participam da operação da ONU na Costa do Marfim, conhecida como UNOCI. "A UNOCI cumprirá seu mandato e continuará monitorando e documentando quaisquer violações dos direitos humanos ou ataques contra soldados da ONU", informou o documento depois de seis homens mascarados abrirem fogo contra uma base da ONU no país. Ninguém ficou ferido no ataque. O secretário-geral disse estar "profundamente preocupado" com a violência contra integrantes da organização na Costa do Marfim. O Conselho de Segurança (CS) da ONU deve se reunir amanhã para discutir a situação na Costa do Marfim e a renovação do mandato da UNOCI, que expira em 31 de dezembro de 2010. A porta-voz de Laurent Gbagbo disse ontem na emissora de TV estatal que a missão das Nações Unidas não atuou de forma neutra na disputa eleitoral e acusou a entidade de armar as forças rebeldes que apoiam o candidato da oposição, Alassane Ouattara. "O Estado da Costa do Marfim considera que a UNOCI cometeu uma falta grave, o que indubitavelmente prova que é um agente de desestabilização para dividir ainda mais o povo marfinense", afirmou ela. A ONU certificou os resultados que apontaram Ouattara como o vencedor das eleições presidenciais de 28 de novembro por "uma margem irrefutável." A organização foi convidada pela própria Costa do Marfim para supervisionar e atestar o resultado da votação depois de um acordo de paz que sucedeu uma guerra civil entre 2002 e 2003. As informações são da Associated Press.

continua após publicidade