Geral

Pesquisa: transplante pode ter curado doente com HIV

Da Redação ·
Um transplante de sangue muito pouco comum aparentemente curou um norte-americano do vírus HIV, causador da aids. Os médicos advertem, porém, que esse não poderia ser um método para uso generalizado entre os portadores da doença. O homem, na casa dos 40 anos e morador de Berlim, recebeu um transplante de células-tronco sanguíneas para tratar uma leucemia em 2007. Seu doador não somente era compatível, mas também tinha uma mutação genética que dava a ele resistência natural ao HIV. Agora, três anos depois, o receptor do transplante deixou de apresentar signos de leucemia e de HIV, segundo um estudo divulgado na revista científica Blood. "Esta é uma prova interessante do conceito de que um paciente poderia ser curado do HIV com medidas extraordinárias", mas é demasiado arriscado para que se converta em uma terapia regular, inclusive se houvessem doadores compatíveis, disse o médico Michael Saag, da Universidade do Alabama, na cidade de Birmingham. Saag é ex-presidente da Associação Médica para o HIV, entidade de médicos especializados no tratamento da doença. Os transplantes de medula óssea, ou mais comumente atualmente de células-tronco sanguíneas, são realizados para tratar o câncer e os riscos que representam para as pessoas saudáveis são desconhecidos. O procedimento implica destruir o sistema imune original dos doentes com medicamentos poderosos, para substituí-lo com as células do doador, a fim de criar um novo sistema imune. A mortalidade desse tipo de operações ou de suas complicações podem ser de 5% ou mais, disse Saag. "Não podemos aplicar este método particular nos indivíduos saudáveis, pois o risco é muito alto", especialmente quando os remédios podem manter o HIV controlado na maioria dos casos, notou Saag. A menos que uma pessoa com HIV também tivesse câncer, não se consideraria um transplante, acrescentou ele. As informações são da Associated Press.
continua após publicidade