Geral

WikiLeaks: para Espanha, Cristina Kirchner é 'marionete'

Da Redação ·

Novos telegramas diplomáticos revelados pelo site WikiLeaks no fim de semana trouxeram à tona diálogos entre o governo da Espanha e dos Estados Unidos que indicam que em Madri lamentavam a excessiva interferência do ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner (2003-2007) no governo de sua mulher, a presidente Cristina Kirchner. Segundo os telegramas, Trinidad Jiménez, atual ministra das Relações Exteriores, queixava-se da dependência de Cristina do marido.

continua após publicidade

Os telegramas também citam que o ex-primeiro-ministro espanhol José María Aznar - em conversa com o então secretário de Estado dos EUA para América Latina, Thomas Shannon - considerou em 2008 que Cristina uma mera "marionete de seu marido". O casal presidencial era definido como "lamentável" pelos espanhóis, que também ressaltavam à diplomacia americana que a corrupção no governo Kirchner havia transformado-se em "um sistema perverso".

continua após publicidade

As opiniões espanholas sobre a administração Cristina, afirmam analistas em Buenos Aires, prometem azedar as relações bilaterais por um tempo, já que os telegramas também mostram que Javier Sandomingo, diretor-geral de assuntos para América Latina, afirmava que a presidente Cristina era "mais inconsistente e temperamental do que o marido".

continua após publicidade

Kirchner, em Buenos Aires e no exterior, era considerado o "verdadeiro poder" no governo de sua mulher, a presidente Cristina. O ex-presidente morreu de um ataque cardíaco fulminante no dia 27 de outubro.

Hugo Chávez

continua após publicidade

Os telegramas também mostram ácidas críticas do governo espanhol com outros presidentes da região. Esse é o caso do presidente venezuelano Hugo Chávez, definido por Jiménez como "um palhaço", uma "pessoa que está em outro planeta". A ministra espanhola também sustentava que embora fosse "uma besta", Chávez "não era um estúpido".

Além disso, os telegramas afirmam que o primeiro-ministro José Luis Zapatero, do Partido Socialista, e seu principal rival, Mariano Rajoy, do Partido Popular, tinham visões comuns sobre a Venezuela. "É um desastre de país", afirmavam os dois. No entanto, sobre o presidente boliviano, Evo Morales, a diplomacia espanhola era menos ácida: "não é pior que vários outros líderes latino-americanos com os quais tivemos que lidar no passado ou atualmente".